Rádio Observador

Liga dos Campeões

Rui Vitória não pensa em consequências antecipadas, mas destaca importância da receção ao United

Rui Vitória diz que não vale a pensa pensar nas consequências de um jogo antecipadamente, mas reconhece a importância do Benfica-Manchester United, para o grupo A da Liga dos Campeões de futebol.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O treinador do Benfica afirmou esta terça-feira que não vale a pensa pensar nas consequências de um jogo antecipadamente, mas reconheceu a importância do duelo com o Manchester United, para o grupo A da Liga dos Campeões de futebol.

Do outro lado vai estar uma equipa de grande qualidade, que está cada vez mais identificada com o seu treinador. Na época passada ganhou a Liga Europa. Sentimos confiança em nós mesmos, temos as nossas virtudes e vamos colocá-las em campo. É um jogo da Liga dos Campeões, no qual é importantíssimo o nível de concentração, o rigor tático e a inspiração dos jogadores”, começou por dizer Rui Vitória, em conferência de imprensa.

O técnico fazia a antevisão da partida da terceira jornada da prova, diante do Manchester United, na quarta-feira, no Estádio da Luz, após dois encontros em que os ‘encarnados’ colocaram em perigo a qualificação, ao serem derrotados por CSKA Moscovo (2-1) e Basileia (5-0).

“É um jogo importante, mas nunca devemos pensar nas consequências do jogo antes de o jogar. Sabemos o elevado grau de exigência do jogo, perante uma das melhores equipas da Europa, muito bem organizada, mas nada disso invalida a nossa ambição”, salientou, antecipando um “jogo muito estratégico”.

De resto, Rui Vitória considerou que o Benfica tem “capacidade para fazer melhor” do que fez nas duas primeiras rondas.

No jogo com o CSKA, a equipa foi superior. Em Basileia, foi um dia muito mau da nossa parte. Temos capacidade para fazer melhor do que fizemos, mas não olho para este jogo de forma diferente caso tivéssemos ganho os jogos anteriores”, referiu.

Por outro lado, o técnico benfiquista assegurou que não vai tentar “imitar” a forma como o Liverpool se apresentou diante da formação comandada por José Mourinho (0-0), no último sábado, para a Liga inglesa, desde logo porque “os jogadores são diferentes”.

Rui Vitória revelou ainda “alegria” por ver alguns ex-atletas do Benfica a singrarem “nos melhores clubes e a ter sucesso” e destacou as qualidades do sueco Lindelöf, que no arranque da época trocou as ‘águias’ pelos ‘red devils’.

O Victor [Lindelöf] tem qualidade, tem vindo a jogar a espaços com o Mourinho e prevejo que seja um jogador de futuro para o Manchester United. É um jogador que tem valor, muito frio, competitivo e que tem muita qualidade”, exprimiu.

Já o argentino Salvio disse que o embate com a formação inglesa será uma “nova oportunidade” para o Benfica somar pontos, depois das derrotas averbadas no grupo. “Sofremos uma derrota muito dura no último jogo na ‘Champions’, mas a nossa equipa é muito forte. Confiamos em todos os jogadores, na nossa equipa e agora temos uma nova oportunidade para somar três pontos”, afirmou o extremo.

O internacional argentino mostrou confiança absoluta nas capacidades dos jogadores ‘encarnados’, os quais não considera inferiores aos do Manchester United.

Também temos grandes jogadores. Não me sinto inferior a nenhum deles. Têm grandes avançados, mas nós também. Não acho que o [Ander] Herrera seja melhor que o Pizzi ou que o Lukaku seja melhor que o Raúl [Jiménez], Seferovic ou Jonas, que faz golos atrás de golos. Os centrais deles não têm mais conhecimento que o Luisão. Confio muito na nossa equipa e que vamos criar danos ao Manchester”, analisou.

O Benfica, último classificado do grupo A, com duas derrotas em dois jogos, recebe o líder Manchester United, que tem seis pontos, no Estádio da Luz, pelas 19:45, num jogo que será dirigido pelo alemão Felix Zwayer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)