A empresa de cibersegurança Kaspersky Lab anunciou esta quinta-feira o lançamento de uma iniciativa de transparência global, fornecendo abertamente o código-fonte do seu sistema de segurança para revisão por parte de auditores independentes, depois de ter sido acusada de estar envolvida num ataque informático russo a um funcionário da Agência de Segurança Nacional (NSA) dos Estados Unidos, anunciou a empresa em comunicado.

“Como parte da iniciativa, a empresa pretende fornecer o código-base do seu software, incluindo as suas atualizações e as regras de deteção de ameaças, para revisões e avaliações independentes“, indica a empresa em nota enviada às redações. A empresa diz que “nunca tomou” a confiança dos seus clientes “por garantida” e sublinha que esta iniciativa pretende ser a “reafirmação do compromisso da empresa em conquistar e manter a confiança” dos clientes.

A polémica estalou no início deste mês, quando o Wall Street Journal publicou um relatório sobre o ataque russo ao computador pessoal de um funcionário da Agência de Segurança Nacional dos EUA, contratado para criar alternativas às ferramentas secretas que Edward Snowden revelou em 2013. Segundo esse relatório, o referido funcionário da NSA tinha um antivírus da Kaspersky instalado no seu computador e terá sido esse sistema de segurança que “alertou hackers russos para a presença de ficheiros que poderiam ter origem na NSA”.

Já antes da divulgação deste relatório, a empresa de segurança vinha sendo acusada de estar envolvida com agências de espionagem russas, mas sempre rebateu essas acusações. Segundo escreve o The Guardian, a empresa tem repetidamente mostrado disponibilidade para abrir o seu sistema de segurança a auditores independentes para confirmar que não há nenhuma fragilidade intencional.

“Precisamos de reestabelecer a confiança nas relações entre empresas, governos e cidadãos, razão pela qual estamos a laçar esta Iniciativa de Transparência Global: queremos demonstrar como somos totalmente abertos e transparentes. Não temos nada a esconder. Acredito que, com estas ações, seremos capazes de ultrapassar a desconfiança e reforçar o nosso compromisso de proteger as pessoas em qualquer país do mundo”, diz o fundador da Kaspersky Lab, Eugene Kaspersky, em declarações citadas na nota de imprensa.