A Uber escolheu Lisboa para montar novo Centro de Excelência para a Europa, nas Avenidas Novas em Lisboa. O novo centro vai prestar apoio multilingue às operações da Uber na Europa, em países como Espanha, França e Portugal e vai criar 250 empregos diretos até 2018.

O objetivo do Centro de Excelência é permitir que a Uber continue a melhorar os seus serviços, políticas e processos internos e vai servir para como suporte à anunciada UBerEatS, um serviço de entrega de comida apoiado pela Uber, que já existe em 170 países. É neste centro que serão lançadas as inovações que visam melhorar o apoio da marca aos utilizadores em toda a Europa.

“Portugal é um mercado em rápido crescimento para a Uber e Lisboa é cada vez mais um centro para a nossa empresa no sul da Europa. Isto, juntamente com o acesso a um elevado número de profissionais qualificados, levou a que Lisboa fosse a cidade escolhida para acolher o novo Centro de Excelência da Uber para a Europa. Esta escolha confirma também o reforço da nossa aposta em Portugal”, explica Rui Bento, diretor-geral da Uber para a Ibéria em comunicado.

No final de setembro, a Uber anunciou que vai lançar o UberEats – opção que permite aos utilizadores encomendar refeições aos restaurantes parceiros da empresa através da aplicação que têm no smartphone. O “reforça da aposta em Portugal” surgiu três dias depois de a Uber ter perdido a licença para operar em Londres, por decisão da Autoridade dos Transportes britânica e quase um ano depois de a proposta do Governo para regulamentar a Uber ter baixado à Comissão de Inovação, Economia e Obras Públicas sem reunir consenso entre os partidos com assento parlamentar.

Uber lança serviço de entrega de refeições ao domicílio em Lisboa

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em setembro, Rui Bento já afirmava que a empresa estava a reforçar a aposta em Portugal, apesar do vazio legal em que opera e das ações de fiscalização da PSP e do Instituto da Mobilidade e dos Transportes (IMT). O facto de ainda não haver data fixa para o lançamento da UberEats, a empresa já está a estabelecer parcerias com os restaurantes que queiram participar.

A Uber internacional tem tido um ano polémico: o conselho de administração substituiu o presidente executivo — o fundador Travis Kalanick foi forçado a sair e a empresa é agora liderada por Dara Khosrowshashi — e que viu a reputação ser afetada por várias revelações na imprensa de uma cultura de trabalho agressiva, sexista, com situações de assédio sexual, entre outras. O fundo de investimento Benchmark abriu um processo judicial contra Travis Kalanick por alegada fraude e recentemente soube-se que a Autoridade dos Transportes Londrina tinha decidido não renovar a licença da empresa para operar em Londres.

Em Portugal, o caminho também não tem sido fácil: as várias propostas dos partidos para regulamentar o transporte através de plataformas como a Uber e a Cabify ainda estão para discussão na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, depois de a proposta de regulamentação do Governo não ter merecido a concordância dos partidos de coligação governamental, o PCP e o Bloco de Esquerda.

Desde 21 de novembro de 2016 — data em que foi publicada em Diário da República a alteração legislativa que incluiu no serviço de táxi ilegal as plataformas eletrónicas — foram passadas 888 multas aos motoristas que efetuavam serviços para a Uber e Cabify, que vão entre 5.000 e 15.000 euros. Estas multas têm estado a ser contestadas, porque as empresas tecnológicas não se revêm no conceito de “serviço em táxi” e não se consideram abrangidas pela lei.