A Galp teve no terceiro trimestre do ano um resultado líquido ajustado de 166 milhões de euros, mais 15 milhões do que no trimestre anterior e um aumento de 51 milhões (45%) relativamente ao período homólogo.

Segundo os resultados do terceiro trimestre deste ano comunicados à Comissão do Mercado de Valores e Mobiliários, a empresa teve no terceiro trimestre do ano um EBITDA (resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações) total de 487 milhões de euros, mais 103 milhões (27%) do que no período homólogo. De acordo com a empresa, este EBITDA chega aos 1.379 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, “dos quais 74% provenientes das atividades no exterior”.

Os resultados comunicados à CMVM indicam igualmente um EBITA do negócio de Exploração e Produção de 215 milhões, 88 milhões face ao período homólogo, suportado pelo aumento de produção e dos preços de petróleo e gás natural, apesar de afetado pela desvalorização do Dólar face ao Euro.

O EDIBTA do negócio de G&P (Gas & Power) situou-se nos 45 milhões, tendo as vendas a clientes diretos “compensado a descida dos volumes vendidos no segmento de trading”, refere o documento disponível na CMVM.

A produção média “working interest” atingiu os 94,6 milhares de barris de petróleo por dia, um crescimento de 28% relativamente ao período homólogo, “devido ao progressivo desenvolvimento dos projetos Lula e Iracema, no Brasil”.

O investimento totalizou 227 milhões de euros durante o terceiro trimestre, dos quais 82% foram alocados a atividades de desenvolvimento e produção,” nomeadamente no bloco BM-S-11 no Brasil”.

“Destaca-se também o início do investimento no desenvolvimento do projeto Coral Sul em Moçambique”, refere o documento disponível no site da CMVM.

O free cash flow após dividendos foi negativo em 37 milhões de euros, considerando o pagamento do dividendo intercalar relativo ao exercício de 2017, no montante de 208 milhões.

A 30 de setembro, a dívida líquida situava-se em 1,5 mil milhões, considerando o empréstimo à Sinopec como caixa e equivalentes, com o rácio dívida líquida para EDIBTA a situar-se nos 0,9x.

No dia 27 de outubro, a Galp, através da Petrogal Brasil, adquiriu uma participação de 20% na licença de Norte de Carcará no âmbito da 2ª Rodada de Partilha de Produção no Brasil. O consórcio inclui também a Statoil (operador) e a ExxonMobil, com uma participação de 40% cada uma.

O consórcio ofereceu um excedente em petróleo de 67,12%.