Autoeuropa

Autoeuropa está a avaliar rejeição do pré-acordo sobre novos horários

Mais de 63% dos trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram o pré-acordo relativo aos novos horários de trabalho. A empresa lamentou a rejeição e remeteu uma tomada de posição para mais tarde

RUI MINDERICO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A administração da Autoeuropa lamentou esta quinta-feira a rejeição do pré-acordo sobre os novos horários de trabalho na fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela e remeteu para mais tarde uma tomada de posição.

“Lamentamos a rejeição do pré-acordo, estamos a analisar o impacto desta situação e oportunamente tomaremos posição”, disse à agência Lusa fonte oficial da empresa.

Após o referendo realizado na quarta-feira, em que mais de 63% dos trabalhadores rejeitaram o pré-acordo, a Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa anunciou a intenção de retomar o diálogo com a administração da fábrica de Palmela.

Em comunicado divulgado pouco depois de ser conhecida a rejeição do pré-acordo dobre os novos horários de trabalho, a Comissão de Trabalhadores defendeu que “as condições estabelecidas [no pré-acordo], ao contrário do que alguns pretenderam fazer crer, representavam uma melhoria para os trabalhadores em relação ao que já anteriormente tinha sido proposto e igualmente rejeitado”.

O trabalho ao sábado (e a remuneração dos sábados, que deixariam de ser pagos como trabalho extraordinário), a par da laboração contínua a partir de agosto de 2018, foram os principais motivos de contestação por parte dos trabalhadores da Autoeuropa.

Alguns trabalhadores contactados pela agência Lusa consideraram que a vinda de um novo veículo (T-Roc) de grande produção era a oportunidade para melhorarem as condições de trabalho, mas outros receiam que as reivindicações acabem por prejudicar a imagem da fábrica junto da Volkswagen.

“A Volkswagen até pode manter aqui a produção do T-ROC, mas pode começar a privilegiar outras fábricas na atribuição de novos veículos, o que poderá comprometer o futuro da Autoeuropa”, disse um trabalhador que votou favoravelmente o pré-acordo rejeitado pela maioria dos funcionários da empresa.

No passado mês de julho, 74% dos trabalhadores da Autoeuropa rejeitaram um primeiro pré-acordo sobre os novos horários, que tinha sido negociado pela anterior Comissão de Trabalhadores, a que se seguiu uma greve histórica, em 30 de agosto, a primeira por razões laborais na fábrica de Palmela do grupo Volkswagen.

A anterior Comissão de Trabalhadores apresentou a demissão face à rejeição do pré-acordo no referendo realizado em 29 de julho. A administração da Autoeuropa considera que a laboração contínua na fábrica de Palmela é fundamental para assegurar o volume de produção estimada do novo veículo T-Roc, que poderá atingir as 240 mil unidades em 2018.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)