Catalunha

Tabarnia: os separatistas que querem sair da Catalunha para ficar em Espanha

2.717

Um movimento unionista quer criar uma nova comunidade autónoma, independente da Catalunha, para continuar em Espanha. O novo território, Tabarnia, incluiria Barcelona e Tarragona.

O movimento Barcelona is not Catalonia, que luta contra o separatismo catalão e defende a manutenção da cidade de Barcelona em Espanha, está a promover a criação de uma nova comunidade autónoma (unidade em que está dividido o estado espanhol), independente da Catalunha, que abranja os municípios de Barcelona e Tarragona e se mantenha em Espanha: a comunidade de Tabarnia.

A palavra, que de acordo com o El País já é uma das mais pesquisadas nas redes sociais e no Google, resulta da aglutinação das palavras Tarragona e Barcelona, os dois municípios catalães que fariam parte deste projeto.

Os resultados das eleições regionais da última quinta-feira deram mais força aos argumentos dos promotores da iniciativa. Nas províncias de Barcelona e Tarragona os resultados foram muito mais favoráveis aos unionistas do que aos independentistas. O resultado dos independentistas na província de Girona, por exemplo, foi quase 20 pontos percentuais superior a0 resultado em Barcelona.

O termo Tabarnia é um neologismo para denominar os territórios costeiros entre Tarragona e Barcelona, que partilham características e anseios comuns, claramente diferenciados do resto da comunidade autónoma“, defende a plataforma na sua página de Internet. A futura comunidade autónoma até já tem uma bandeira, composta pelas bandeiras de Tarragona e Barcelona.

Os promotores da iniciativa destacam “uma alta densidade de população, uma intensa relação comercial com o resto de Espanha, o orgulho pelo bilinguismo, uma mentalidade aberta, maiores rendimentos e maioria de votos não separatistas” como as características que unem o povo desta comunidade autónoma proposta.

Outro dos argumentos utilizados pelos defensores da autonomia de Tabarnia é, como escreve o El País, um dos mesmo usados pelos independentistas catalães: a questão económica. É que a plataforma argumenta que o município de Barcelona paga à Generalitat (governo regional catalão) 32% a mais do que recebe na redistribuição de fundos.

“Nós pensamos que, consumando-se ou não o golpe de estado que Carles Puigdemont pretende fazer, não interessa a Tabarnia continuar na Catalunha”, defendem ainda os promotores. A ideia, por enquanto, ainda é apenas um projeto na Internet, mas está a ganhar seguidores: a página de Facebook da iniciativa já conta com mais de sete mil seguidores.

O assunto também começa a ganhar dimensão junto da esfera política. Esta terça-feira, a cabeça de lista pelo Ciudadanos às eleições regionais da última quinta-feira, Inés Arrimadas, publicou no Twitter uma mensagem em que defende “uma Catalunha dentro de Espanha e da União Europeia, onde se respeite e se entenda a pluralidade e a diversidade”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)