O vice-presidente da câmara de Cascais, Miguel Pinto Luz, está desde terça-feira em Las Vegas a mostrar aos participantes da CES — a maior feira de tecnologia do mundo — como se constrói uma smart city (cidade inteligente, que utiliza tecnologia para ser mais eficiente). Foi o único município português que foi convidado para estar na edição de 2018.

Miguel Pinto Luz foi convidado para participar numa conferência sobre parcerias para construção de cidades inteligentes, que teve lugar na segunda-feira. Em 2017, Cascais tornou-se numa “cidade experimental”, porque passou a permitir que as startups do projeto Big Smart Cities testem as suas inovações no concelho.

Para este ano, os planos passam pela condução autónoma. O vice-presidente avançou ao Observador que o município vai criar uma área específica para testar carros autónomos já em 2018. Os primeiros testes ainda não têm data marcada, mas Miguel Pinto Luz adiantou que a tecnologia será testada “tanto para carros privados, como para transportes públicos”

Big Smart Cities. Cascais é a primeira “cidade experimental” para startups

“Cascais tem sido a cidade a marcar ponto. Por estarmos presentes neste tipo de fóruns, estamos a ditar tendências, a marcar o ritmo, estamos a liderar e isso é bom para o país e, naturalmente, para Cascais”, afirmou Miguel Pinto Luz quanto à presença na CES.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O autarca afirmou que “Cascais quer ser conhecida como uma smart city” no panorama internacional. O munícipe partilhou um dos palcos da CES c0m John Kwant, vice-presidente da divisão de soluções para cidades da Ford Motor Company, Skarpi Hedinsson, responsável de tecnologia da Los Angeles Rams (um clube de futebol americano), Michael Zeto, diretor executivo da AT&T (uma das maiores operadoras móveis americanas), e com Williams Eggers, diretor executivo na Deloitte (consultora que é uma das patrocinadoras do evento).

À esquerda, Miguel Pinto Luz, o vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais no painel sobre cidades inteligentes, na CES, em Las Vegas

É a primeira vez que a autarquia portuguesa marca presença no maior evento de tecnologia do mundo e vai continuar a representar Portugal em futuras edições, para “levar e trazer ainda mais conhecimento”, refere Pinto Luz. Mesmo já tendo recebido um prémio na Web Summit, pela app de orçamento participativo que Cascais desenvolveu, Pinto Luz assume “com humildade” que chegou a Las Vegas “sem perceber todos os benefícios reais que dali ia retirar”.

A presença no evento já motivou reuniões com responsáveis de cidades como Los Angeles, Columbus ou Toronto, para que Pinto Luz possa partilhar as técnicas utilizadas pela autarquia portuguesa na gestão de resíduos urbanos e mobilidade.

O vice-presidente do município clarificou que apesar de ter participado na CES a convite da organização, o custo da viagem e estadia ficou “100%” a cargo da autarquia. O convite surgiu graças às soluções tecnológicas ou ainda em desenvolvimento que estão a ser implementadas em Cascais. A autarquia dá como exemplo o centro de atendimento único, o projeto MOBI Cascais e a FIX Cascais, uma aplicação para comunicar problemas na via pública.