O Real Madrid estava disposto a pagar o valor da cláusula de rescisão do contrato de Lionel Messi com o Barcelona (e não só) para o desviar daquele clube, de acordo com informação revelada pelo Football Leaks no jornal alemão Spiegel, acerca de factos que terão acontecido em junho de 2013.

Trata-se de um valor de 250 milhões de euros, correspondentes ao valor da cláusula de rescisão, 23 milhões de salário anual líquidos até 2021, e, ainda, um milhão de euros ao pai do jogador argentino, Jorge Messi. Terá sido o advogado de Messi da altura, Iñigo Juárez, a informar ao pai do jogador acerca do negócio.

A reunião para acertar o negócio da transferência já estaria marcada e teria lugar a bordo de um avião, um jato particular. Na reunião estariam Messi, o seu advogado de então, Iñigo Juárez, o presidente do Real Madrid, Florentino Perez, e um advogado do Real Madrid, Miguel Pardeza.

O Real Madrid foi interrogado pela investigação do jornal com base no Football Leaks e negou a informação. O clube disse que a “informação não se ajusta de forma alguma à realidade, é totalmente falsa“.

O jornal alemão revela ainda que Iñigo Juárez, o advogado de Messi , teria garantido ao pai do jogador argentino, Jorge Messi, que o Real Madrid — clube para o qual o filho seria transferido — prometia “exercer pressão sobre Mariano Rajoy” , o presidente do governo espanhol, quanto ao caso de fraude fiscal, de que Messi e o pai estavam acusados.

FC Barcelona reitera apoio a Messi, depois de pena de prisão por fraude fiscal

Em maio do ano passado o Supremo Tribunal espanhol condenou Lionel Messi a 21 meses de prisão e uma multa de de cerca de dois milhões de euros, por três crimes fiscais. Entre 2007 e 2009, o jogador argentino não terá declarado 10,1 milhões de euros recebidos a título de direitos de imagem, entre 2007 e 2009.