Rádio Observador

Sintra

Monumentos e parques de Sintra receberam mais de três milhões de visitantes

Os monumentos e os parques de Sintra foram visitados por mais de três milhões de pessoas em 2017. O local mais popular voltou a ser o Parque e o Palácio Nacional da Pena.

MARIO CRUZ/LUSA

Os monumentos e parques de Sintra registaram, no ano passado, mais de três milhões de visitantes, representando uma subida de 21,65% relativamente a 2016, divulgou esta quarta-feira a Parques de Sintra-Monte da Lua (PSML).

Em comunicado, a PSML afirma que, no ano passado, os parques e monumentos sob sua gestão, entre eles os palácios da Pena e o de Queluz, receberam 3.193.287 de visitas, “o que representa uma subida de 21,65% relativamente ao ano anterior, e confirma a curva ascendente registada nos anos transatos”.

O Parque e o Palácio Nacional da Pena, em Sintra, “voltou a ser o polo mais procurado, com um total de 1.685.964 entradas, e é assim o palácio mais visitado do país, com uma subida de 27,7% em relação a 2016”.

O segundo mais visitado foi o Castelo dos Mouros, em Sintra, com 561.490 visitas, seguindo-se o Palácio Nacional de Sintra, com 545.558 visitantes e, em 4.º lugar, o Palácio Nacional de Queluz, com 180.432 entradas.

Nos dois últimos lugares estão o Parque e Palácio de Monserrate, com 149.156 visitantes, e o Convento dos Capuchos, na serra de Sintra, com 39.573 visitas.

A PSML refere ainda que, no intuito de “dinamizar” e “atrair novos públicos” para os palácios da Pena, de Sintra e de Queluz, promoveu ciclos de música erudita.

Os ciclos “Serões Musicais no Palácio da Pena”, “Reencontros — Memórias Musicais no Palácio de Sintra” e “Noites de Queluz — Tempestade e Galanterie” contaram, no ano passado, com 2.289 espetadores, cifra não incluída nos respetivos totais de visitas.

No mesmo comunicado, o presidente do conselho de administração da PSML, Manuel Baptista, relaciona esta subida de visitas com o trabalho de recuperação realizado. “Acreditamos que património recuperado é património visitado. A Parques de Sintra tem, assim, levado a cabo um trabalho permanente de recuperação dos parques e monumentos que gere, não só através das ações de conservação e restauro, mas também através de um esforço contínuo para oferecer melhores condições de visita”.

Em 2018, o objetivo é dar continuidade a este trabalho. “As obras nos espaços sob a nossa gestão nunca estarão terminadas, como tal temos já traçado um ambicioso plano de investimento para 2018 e para os dois anos subsequentes”, remata.

A PSML é uma empresa de capitais exclusivamente públicos, criada em 2000, no seguimento da classificação pela UNESCO da Paisagem Cultural de Sintra como Património da Humanidade.

As áreas sob gestão da PSML são o Parque e Palácio Nacional da Pena, os palácios nacionais de Sintra e de Queluz, o Chalet da Condessa d’Edla, no perímetro do Palácio da Pena, o Castelo dos Mouros, o Palácio e Jardins de Monserrate, o Convento dos Capuchos e a Escola Portuguesa de Arte Equestre que, em 2016, receberam 2.625.011 visitas.

Também sob a alçada da PSML está a Vila Sassetti, localizada na Estrada da Pena.

A PSML foi distinguida consecutivamente até ao ano passado com o “World Travel Award” para Melhor Empresa em Conservação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)