Rádio Observador

Grécia

Diferendo sobre uso da palavra “Macedónia” leva milhares às ruas na Grécia

189

Desde 1992 que Atenas e Skopje não se entendem a propósito do nome escolhido pela agora República da Macedónia para batizar o país, depois da idependência da Jugoslávia.

VASSILIS VERVERIDIS/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Perto de 50 mil pessoas manifestaram-se este domingo em Salónica (norte da Grécia) para contestar o uso da palavra “Macedónia” para designar o país que alcançou a independência da ex-Jugoslávia em 1991, um diferendo antigo entre Atenas e Skopje.

O protesto em Salónica, capital da província grega Macedónia, foi apoiado por vários grupos nacionalistas gregos, incluindo da extrema-direita como foi o caso do partido Aurora Dourada, alguns sacerdotes e grupos da diáspora.

“Estão cerca de 50 mil pessoas” nas ruas, afirmou, em declarações à agência noticiosa francesa France Presse (AFP), um porta-voz da polícia local, indicando que este número é uma “primeira estimativa”.

Este número ultrapassa as estimativas lançadas pela comunicação social grega, que avançou que o protesto deste domingo iria contar com uma adesão de cerca de 30 mil pessoas, muito longe do milhão de pessoas que em 1992 saiu para a rua para contestar.

O protesto de 1992, um ano depois da independência da Macedónia da República Federal Socialista da Jugoslávia, marcou também o início da crise diplomática entre Atenas e o seu pequeno vizinho dos Balcãs, que atualmente se desdobram em esforços diplomáticos para resolver este diferendo que dura há 26 anos.

Este diferendo tem comprometido os desejos de Skopje em integrar a União Europeia (UE) e a NATO.

“A mobilização das pessoas excedeu todas as expectativas”, disse à AFP Irini Leonardou, membro da comissão organizadora da manifestação.

“Exigimos que o termo ‘Macedónia’ não figure no nome (…) e isto não é negociável”, disse o escritor, de 59 anos.

A Macedónia já é reconhecida sob este nome por vários países como os Estados Unidos, China, Rússia ou Reino Unido. Por outros é designada como Antiga República Jugoslava da Macedónia.

Na passada quarta-feira, a Grécia e a Macedónia encontraram-se sob a égide da ONU em Nova Iorque para tentar resolver este diferendo.

Na sequência de recentes declarações de Skopje e Atenas sobre a possibilidade de um entendimento, o enviado da ONU Matthew Nimetz decidiu reunir as duas partes.

No início de janeiro, o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, admitiu que o contencioso poderia ser solucionado no primeiro semestre de 2018.

“Existe uma possibilidade de solução caso as intenções dos nossos vizinhos sejam sinceras. Os próximos dias vão esclarecer se podemos dar um passo decisivo”, disse Tsipras durante o primeiro conselho de ministros de 2018, numa alusão às reuniões bilaterais previstas para as próximas semanas.

O primeiro-ministro grego assinalou então que a eventual resolução do conflito significará “o início de uma nova era de cooperação e de paz nos Balcãs”.

Em paralelo, e numa entrevista concedida à televisão privada grega ALPHA, o primeiro-ministro macedónio, Zoran Zaev, frisou o seu desejo de pôr termo a esta prolongada disputa e reafirmou que não considera da herança de Alexandre o Grande (Alexandre Magno) exclusiva do seu país.

“Julgo que Alexandre o Grande deve ser o elemento que nos une e não um tema de divisão”, assinalou, numa referência a um dos principais contenciosos entre os dois países vizinhos e relacionada com a herança cultural do antigo reino macedónio (século IV a. C.).

Zaev reafirmou ainda que a prioridade de Skopje consiste na adesão à UE e NATO.

O social-democrata, que venceu as eleições de junho de 2017 face ao seu adversário conservador Nikola Gruevski, reafirmou em diversas ocasiões o desejo de relançar o diálogo entre os dois países.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rui Rio

Portugal continua a não ser a Grécia /premium

Rui Ramos
396

Quando a Grécia se afundava em resgates, Passos impediu que Portugal fosse a Grécia. Agora, quando a Grécia se liberta da demagogia, é Rui Rio quem impede que Portugal seja a Grécia. 

Incêndios

Verões de fogo /premium

Manuel Villaverde Cabral
116

A descrição dos incêndios na Grécia é em tudo idêntica à dos que ocorreram em Portugal há dois anos, mas aqui morreram ainda mais pessoas. Lá o Syriza perdeu as eleições, aqui o PS vai ganhá-las...

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)