440kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

A "imodéstia" do procurador Orlando Figueira. E as culpas em cima de Carlos Silva, outra vez

Este artigo tem mais de 4 anos

As declarações de Orlando Figueira ocuparam toda a segunda sessão do julgamento do caso que envolve Manuel Vicente. O procurador reitera que o ex-governante angolano nada tem a ver com o caso.

O procurador Orlando Figueira é acusado de corrupção, branqueamento, violação do segredo de justiça e falsificação
i

O procurador Orlando Figueira é acusado de corrupção, branqueamento, violação do segredo de justiça e falsificação

JOÃO SEGURO/OBSERVADOR

O procurador Orlando Figueira é acusado de corrupção, branqueamento, violação do segredo de justiça e falsificação

JOÃO SEGURO/OBSERVADOR

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Com um tablet numa só mão, circula pela sala de audiências e vai até ao pé dos juízes para apontar para a tela projetada na parede. Pede ao funcionário judicial que mostre este e aquele documento constitutivo de sociedades. “Está ali o Dr. Manuel António Costa, administrador único de todas as empresas ligadas a Carlos Silva e Iglesio Soares. Não há nenhuma referência a Manuel Vicente”, reiterou. A juíza Helena Pinto pergunta-lhe quais são os factos que ligam estas empresas a Carlos Silva. “Factos?”, interroga Orlando Figueira. “Sim, factos concretos”, responde a juíza”. “Factos concretos: eu falei com o Carlos Silva e assinei contrato com Manuel António Costa”.

Na segunda sessão do julgamento que envolve o ex-vice-Presidente angolano, Manuel Vicente, Orlando Figueira voltou a apontar o dedo a Carlos Silva, presidente do Banco Privado Atlântico. Esta terça-feira, no Campus de Justiça, o procurador acusado de corrupção, branqueamento de capitais, falsificação e violação do segredo de justiça continuou a desmontar a acusação ponto por ponto. Por diversas vezes teceu elogios ao seu trabalho “irrepreensível”, e pediu perdão pela sua “imodéstia”. “Eu era uma pessoa muito referenciada e altamente conceituada junto do procurador-geral de Angola”, chegou a dizer. Tanto na parte da manhã, como à tarde, insistiu: a Primagest, a empresa que o contratou, não está ligada a Manuel Vicente — como acusa o Ministério Público —mas sim a ao Grupo Privado Atlântico, de Carlos Silva.

“Houve uma necessidade da investigação do Ministério Público em pôr o Manuel Vicente e não o Carlos Silva, porque, se deixa de haver Carlos Silva, deixa de haver corrupção e crime. Portanto, com todo o respeito, se onde se lesse Manuel Vicente se lesse Carlos Silva, não havia corrupção”, disse.

O arguido explicou que uma mera pesquisa no Google mostra que a Primagest participou num consórcio liderado pela Sonangol num negócio com a Coba. E que, eventualmente, terá sido essa informação que levou a relacionar a empresa com a qual assinou contrato com Manuel Vicente. “Estou preso inocentemente há dois anos. Desgraçaram-me a vida. O dr. Carlos Silva não quis assumir a responsabilidade de me ter contratado”, viria a dizer mais tarde. “Porquê?”, pergunta o juiz presidente Alfredo Costa. “Não sei. Gostava de saber”, responde o arguido.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O que tem de saber sobre esta sessão

Mostrar Esconder

As frases do dia

“Houve uma necessidade da investigação do Ministério Público em pôr o Manuel Vicente e não o Carlos Silva porque, se deixa de haver Carlos Silva, deixa de haver corrupção e crime. Portanto, com todo o respeito, se onde se lesse Manuel Vicente, se lesse Carlos Silva, não havia corrupção”, disse Orlando Figueira.

“Eu era uma pessoal muito referenciada e altamente conceituada junto do Procurador Geral de Angola”, disse Orlando Figueira.

Decisões importantes

Dada a morosidade das declarações do arguido Orlando Figueira, e como os restantes arguidos também querem falar, as testemunhas foram notificadas para comparecer apenas a partir da próxima semana.

Quem foi ouvido

Nesta segunda sessão foi ouvido o magistrado Orlando Figueira, que continuou a tentar desmontar a acusação.

Quando é a próxima sessão

Quarta-feira, 24 de janeiro.

Orlando Figueira voltou a falar no empréstimo de 130 mil euros que lhe foi concedido pelo Banco Privado Atlântico, sem garantias e que ainda não foi amortizado. Conta que o empréstimo foi aprovado por Graça Proença de Carvalho (filha do advogado Proença de Carvalho, que representa Carlos Silva) e que o contrato de mútuo foi depois assinado por ela e por Helena Barro. “Segundo esta tese do MP, pergunto, porque é que, segundo a teoria geral da infração, não foram constituídos arguidos? Porquê? Não quero acreditar que haja bruxas, teorias da conspiração, mas acho estranho”, disse.

O juiz Alfredo Costa intervém: “As interpretações deixamos para mais tarde”.

Entre a sua defesa e as poucas perguntas do coletivo de juízes, há assuntos que o magistrado toca e foge. A certa altura, o arguido diz que vai contar tudo sobre o contrato de trabalho e a sua revogação — que o MP diz serem documentos falsos para justificarem parte dos 740 mil euros que terá recebido. “Eu tinha que ter uma capacidade mirabolante para estar a inventar isto tudo”, atirou. Para depois mudar de assunto e ficar por esclarecer porque é que o contrato foi revogado quando soube que estava a ser investigado.

Os documentos dos processos arquivados que tinha em casa

O discurso foge, depois, para as razões que o levaram a devolver a Manuel Vicente os documentos que justificavam os valores auferidos e que atestariam a sua capacidade financeira. Documentos pedidos ao processo, devolvidos ao seu advogado, mas cujas cópias foram encontradas na busca domiciliária feita à casa do magistrado quando foi detido. Orlando Figueira diz que devolveu os documentos para garantir a reserva da vida privada de Manuel Vicente. “Os jornalistas só querem saber quanto estas pessoas ganham. Iam consultar o processo e iam ver. E é um particular. Tinha que salvaguardar. Eu era uma referência no MP”, disse. “Então porque guardou cópias em casa?”, perguntou o juiz Alfredo Costa. A resposta só veio depois de uma pausa no julgamento, quando se voltou ao tema.

“Quer que eu fale sobre isso? Eu falo!” Diz o magistrado que, mal entregou o pedido de licença sem vencimento, começou a especular-se que iria trabalhar “para o BIC ou para a Isabel dos Santos”. Chegou mesmo a ser avançado pela comunicação social. “Eu precisava destes documentos para me salvaguardar. Mas quando deixaram de falar eu comecei a destruir tudo o que guardei. Sobraram estes”, justificou.

Tinha que puxar pela funcionária

A acusação do MP refere que Orlando Figueira trabalhava e despachava processos até em férias judiciais. Mais: que insistia com a funcionária judicial que os casos que tinha em mãos — nomeadamente os de Manuel Vicente — eram urgentes. Neste ponto da acusação, que Orlando Figueira está a rebater ponto por ponto, o magistrado defende-se. E volta a atacar o empenho da funcionária, como aliás já tinha feito na primeira sessão. “Ela trabalhava das 11h00 às 15h00, com duas horas de almoço. Eu tinha que estar sempre a insistir para que fizesse o que eu lhe pedia. Cheguei a questionar se não se devia avançar com um inquérito disciplinar por causa disso. Se calhar foi por isso…” E cala-se.

O magistrado, mais uma vez, diz que assume todas as decisões dos inquéritos que assinou. “Isto está, desculpem a imodéstia, tecnicamente irrepreensível”, uma “imodéstia” vária vezes evocada ao longo da sua defesa.

“Eu nem sequer estava a investigar o Manuel Vicente”

A acusação do Ministério Público diz que o procurador foi influenciado e recebeu dinheiro para arquivar em dois processos. Nos dois há uma empresa em comum: a Portmill. Num primeiro caso, diz o MP, estava a ser investigada a compra de vários apartamentos no condomínio Estoril Sol por várias sociedades — uma delas a Portmill. Neste caso, Orlando Figueira terá extraído uma certidão para que Manuel Vicente fosse investigado separadamente, inquérito este arquivado. Já num outro processo, Manuel Vicente estaria a ser investigado por causa da compra de 24% do BES Angola pela Portmill.

Negócios que Orlando Figueira diz nada terem a ver. “Há uma Portmill que compra os apartamentos. Mas a Portmill de que estamos a falar é a que comprou 24% do BESA Angola”, explicou. “Porque a outra Portmill ninguém lhe consegue chegar, a que comprou os condomínios”, diz o magistrado, explicando que, se mandasse cartas rogatórias para Angola a pedir esta informação, nunca obteria resposta. Assim, garante, o que estava no centro da investigação não era Manuel Vicente, mas sim a origem dos fundos que a Portmill usou para adquirir o BES Angola.

“Eu nem sequer estava a investigar o Manuel Vicente”, afirmou.

Quanto ao arquivamento do processo que abriu para investigar Manuel Vicente, Orlando Figueira diz que, quando pediu para ser afastado dos processos, chegou a solicitar ao então procurador-geral, Pinto Monteiro, que escrutinasse os seus despachos — nesta altura já era público que iria trabalhar para o setor privado. Mas o então responsável pelo Ministério Público disse que não se conheciam elementos que o levassem a “desconfiar” das suas decisões.

O segundo processo, relativamente ao BES Angola, foi reaberto por outro procurador meses depois. E acabou por ser, igualmente, arquivado.

O juiz que veio espreitar a sessão por uns minutos

O juiz do caso BPN Homeland, Pedro Cunha Lopes, entrou na sala de audiência e sentou-se ao lado dos advogados a ouvir as declarações do antigo procurador. Minutos depois, o advogado João Correia — que representa o arguido e advogado Paulo Blanco — perguntou ao coletivo o que ele fazia ali. Mas, antes que o presidente do coletivo respondesse, Pedro Cunha Lopes respondeu-lhe: “Olhe, eu conheço-o muito bem”, e fixou olhar no advogado.

O episódio aconteceu nesta tarde de terça-feira. O juiz presidente, Alfredo Costa respondeu: “Este senhor é magistrado e, como não tinha lugar na sala para se sentar, sentou-se aqui”, disse. “Mas há ali cadeiras”, atirou um advogado, indignado. O juiz desembargador no Tribunal da Relação de Guimarães, que é bem conhecido no meio, manteve-se alguns minutos na sala, mas acabou por sair pouco depois.

Ao sair ainda olhou para o advogado e ex-autarca Fernando Seara — que estava na plateia e é testemunha no processo de Orlando Figueira. Também esta tarde, Fernando Seara anunciou que, afinal, era advogado de Paulo Blanco e não seria mais testemunha. Seara é sócio de João Correia.

Manuel Vicente fora do processo

Na primeira sessão, o coletivo de juízes decidiu separar o ex-vice-Presidente angolano, Manuel Vicente, deste processo. Isto depois de as autoridades angolanas terem, finalmente, respondido à carta rogatória do MP português. O MP angolano recusou notificar Manuel Vicente da constituição de arguido e do despacho de acusação — bloqueando o seguimento do processo em relação a ele — alegando que goza de imunidade.
A acusação diz que foi Manuel Vicente quem corrompeu Orlando Figueira. Mas como os arguidos Paulo Blanco e Armindo Pires estão acusados do crime de corrupção ativa em co-autoria com Manuel Vicente, continua a estar em causa o crime de corrupção.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.