Fórmula 1

“Grid girls” da Fórmula 1 vão ser substituídas por crianças

511

As modelos que desfilavam na grelha de partida da Fórmula 1 vão ser substituídas por crianças e vão ser as federações dos vários países a escolher jovens pilotos de kart por mérito ou sorteio.

Peter Fox/Getty Images

Depois do anúncio de que as “grid girls” iriam desaparecer das provas de Fórmula 1, os novos donos da Fórmula 1 (a Liberty Racing) anunciou esta segunda-feira que as modelos vão ser substituídas por crianças. A escolha será feita por federações nacionais que, em função do mérito ou por sorteio, vão indicar jovens pilotos de competições de kart.

A decisão de acabar com as “grid girls”, modelos contratadas para desfilar junto à grelha de partida, foi polémica. As próprias modelos acusaram as associações feministas — que eram contra a exposição das mulheres — de serem responsáveis pelo facto de perderem trabalho. Uma das mais famosas grid girls, Rebecca Cooper chegou a escrever no Twitter: “O inevitável aconteceu, a ‘grid girls’ vão desaparecer da F1. É ridículo que mulheres que dizem lutar pelos direitos de outras mulheres venham dizer o que as mulheres podem ou não fazer. Fazemos um trabalho que amamos e pelo qual somos bem pagas”.

O piloto alemão da Ferrari, Sebastien Vettel, também classificou a decisão de acabar com as “grid girls” de “ridícula”. “Há coisas que não têm de mudar e esta é uma delas. É uma boa tradição e não devíamos acabar com ela”, defendeu o piloto que foi quatro vezes campeão mundial pela Red Bull.

Já o diretor de operações comerciais, Sean Bratches, justificou esta mudança como uma forma de “estar mais em sintonia” com a visão da Fórmula 1. Bratches defendeu que esta prática não é “adequada ou relevante nem para a Fórmula 1 nem para os fãs, antigos ou novos, de todo o mundo”. E acrescentou: “Embora a prática de usar ‘grid girls’ tenha sido frequente na Fórmula 1 há décadas, sentimos que esse costume não reflete os valores da nossa marca e está claramente em discordância com as normas da sociedade moderna dos dias de hoje”.

A temporada de 2018 da Fórmula 1 começa no dia 25 de março, no Grande Prémio da Austrália.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Bruno de Carvalho

Bater no fundo /premium

Paulo de Almeida Sande

Que país somos, afinal? Seremos talvez o país da irreverência reverente, que tanto goza como adula, sejam líderes partidários sejam (sobretudo) presidentes dos (nossos) clubes. 

Global Shapers

Carta aos pais de filhos na alta competição

Diogo Ganchinho
204

Não saber perder significa não aceitar a derrota com humildade. Existe algo na vitória que jamais se poderá perceber na derrota. Perder e aceitar isso, permite uma aprendizagem oculta nas vitórias.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)