O austríaco Matthias Mayer pôs esta sexta-feira fim à hegemonia norueguesa na prova olímpica de slalom supergigante, ao conquistar a medalha de ouro, num dia marcado pelo 113.º lugar do português Keguyen Lam na prova de esqui de fundo de 15 km.

Na estância de Jeongseon, Mathhias Mayer, garantiu em 1.24,44 minutos o ouro olímpico, que fugia à Áustria há 20 anos, desde que o seu compatriota Hermann Mayer, conhecido como Herminator, se sagrou campeão olímpico em Nagano 1998.

A norte-americana Mikaela Shiffrin, que na quinta-feira revalidou o título de slalom gigante, protagonizou uma das surpresas do dia, ao ficar fora do pódio na prova de slalom, na qual procurava também o segundo título olímpico.

A tetracampeã mundial, de 22 anos, foi “apenas” quarta, atrás da suíça Frida Hansdotter, que partilhou o pódio com a suíça Wendy Holdener, medalha de prata, e a austríaca Katharina Gallhuber, bronze.

Na prova de fundo de 15 km, na qual o suíço Dario Cologna arrecadou a sua quarta medalha de ouro, a segunda nesta distância, o português Kequyen Lam estreou-se em competições olímpicas de inverno com 113.º lugar.

Em PyeongChang, Cologna, que somou também duas medalhas de ouro nos Jogos Sochi2014, percorreu a distância em 33.43,9, impondo-se por 18,3 segundos ao norueguês Simen Hegstad Krueger, e por 23 ao russo Denis Spitov, prata e bronze, respetivamente.

Kequyen Lam, nascido em Macau e residente no Canadá, terminou a prova em 54.34,1 minutos, gastando mais 20.50,2 minutos do que o vencedor, à frente dos representantes do Tonga, da Colômbia e do México.

Na prova de snowboardcross, Julia Pereira, de ascendência portuguesa, entrou para a história do desporto francês ao tornar-se na mais jovem medalhada em Jogos Olímpicos de Inverno.

Com 16 anos e quatro meses, Julia Pereira, campeã mundial de juniores em 2017, conquistou a medalha de prata numa prova ganha pela italiana Michela Moioli, campeã do Mundo.

A checa Eva Samkova, que defendia o título conquistado há quatro anos em Sochi, ficou com o bronze.

A jogar em casa, o sul-coreano Yun Sung-bin tornou-se no primeiro atleta asiático a sagrar-se campeão olímpico de skeleton, numa prova na qual o russo Nikita Tregybov, que compete sob bandeira neutra, alcançou a prata, e o britânico Dominic Parsons, o bronze.

A Holanda continua a dominar na patinagem de velocidade, tendo alcançado hoje mais uma medalha de ouro, a sexta das sete já atribuídas na modalidade.

Esmee Visser, de 22 anos, juntou o título olímpico dos 5.000 metros ao de campeã europeia, impondo-se à checa Martina Sablikova, ouro em 2010 e 2014, e à russa Natalya Voronina, medalhas de prata e bronze, respetivamente.

Nos saltos de esqui freestyle, a Bielorrússia repetiu o ouro conquistado há quatro anos, mas com uma protagonista diferente, com Hanna Huskova a suceder à compatriota Alia Tsuper, que hoje foi quarta classificada.

Apesar de hoje não ter conseguido qualquer lugar no pódio, a Alemanha continua a liderar o quadro de medalhas, com um total de 15, nove das quais de ouro, seguida da Noruega, que soma 19 pódios, mas “apenas” seis ouros.