Concertos

Orquestra Gulbenkian estreia esta sexta-feira “Off-balance” de Luís Antunes Pena

"Off-balance", peça do compositor português Luís Antunes Pena, vai ser ouvida esta sexta-feira pela primeira vez em público. A peça é interpretada pela Orquestra Gulbenkian às 21h30.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

A peça “Off-balance”, do compositor português Luís Antunes Pena, é escutado esta sexta-feira, pela primeira vez, em público, interpretada pela Orquestra Gulbenkian, dirigida pelo maestro Pedro Neves. O programa do concerto deste dia da Orquestra Gulbenkian inclui ainda as estreias nacionais das peças “Become Ocean”, do norte-americano John Luther Adams, e “Museu das Coisas Inúteis”, do brasileiro Celso Loureiro Chaves.

O concerto, às 21h30, no grande auditório da Fundação Calouste Gulbenkian (FCG), em Lisboa, realiza-se no âmbito da parceria “SP-LX”, firmada entre a fundação e a Orquestra Sinfónica do Estado de São Paulo (OSESP), que prevê a encomenda de novas obras a compositores portugueses e brasileiros, com estreias alternadas, em cada temporada, entre Lisboa e São Paulo, no Brasil.

“Off-Balance” é uma encomenda da FCG ao compositor Luís Antunes Pena, de 44 anos, que se licenciou em Composição na Escola Superior de Música de Lisboa, com António Pinho Vargas, tendo prosseguido os estudos na Folkwang-Hochschule, em Essen, na Alemanha, onde estudou composição instrumental com Nicolaus A. Huber e música eletrónica com Dirk Reith.

O compositor dedica esta peça “a dois dos mais reconhecidos percussionistas nacionais”, Rui Sul Gomes e Nuno Aroso, que são solistas esta noite, assinala a FCG. Segundo a FCG, o compositor descreve a sua obra “como um estudo do ‘desequilíbrio’ entre o humano e o mecânico, o digital e o analógico, o abstrato e o empírico ou ainda entre o discurso e a realidade, a opinião e o facto”.

O concerto para violino “Museu das Coisas Inúteis”, de Celso Loureiro Chaves, peça encomendada pela orquestra brasileira, estreia-se esta noite em salas nacionais, sendo solista o violinista brasileiro Luíz Filíp, atualmente músico da Filarmónica de Berlim.

A peça é descrita por Celso Loureiro Chaves como “meditativa”, sendo composta por cinco movimentos “que podem ser entendidos como peças autónomas”, mas estas “estão ligadas umas às outras por solos de clarinete que são como portas entre as salas de um museu”, segundo a FCG.

O título da obra inspira-se no ensaio “A utilidade do inútil”, do filósofo italiano Nuccio Ordine, que desenvolve o conceito da utilidade das coisas e dos saberes, desvinculados da ideia de lucro, defendendo que “um museu é um tesouro que a coletividade deve preservar ciosamente, a todo custo”.

A peça “Become Ocean”, de John Luther Adams, dá título ao concerto e é também escutada em estreia nacional. “Become Ocean” estreou-se em junho de 2013, no Benaroya Hall, em Seattle, tendo arrecadado, em 2014, o Prémio Pulitzer de Música e, em 2015, o Grammy para a Melhor Composição de Música Contemporânea.

Segundo comunicado da FCG, o título da obra, com um andamento, foi retirado de um poema que John Cage dedicou ao compositor Lou Harrison, que John Luther Adams considera como mentor. Esta sexta-feira, às 20h, uma hora antes do concerto, na zona de congressos da FCG, o compositor Sérgio Azevedo fala sobre as obras de John Luther Adams e de Luís Antunes Pena.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)