A Macedónia, cujo nome formal é Antiga República Jugoslava da Macedónia, já tem quatro nomes alternativos para apresentar à Grécia, o que pode pôr um fim a uma disputa que dura desde que aquele pequeno país balcânico declarou a independência da antiga Jugoslávia, em 1991.

“As sugestões são República do Norte da Macedónia, República da Macedónia Cimeira, República da Macedónia Vardar ou República da Macedónia (Skopje)”, disse o primeiro-ministro daquele país, Zoran Zaev, à agência Reuters. Na mesma entrevista, referiu que os nomes já foram propostos à Grécia, acrescentando que “há opções que eles preferem mais do que outras”. E insinuou que, apesar deste esforço, não há uma “verdadeira necessidade” de mudar o nome do país.

A alteração, que provavelmente passará também por alterações à Constituição daquele país, será decidida num referendo nacional, na Macedónia.

Governo da Macedónia já alterou o nome do aeroporto para agradar a gregos

Desde que foi eleito em 2017, o governo de Zoran Zaev tem tomado medidas no sentido de apaziguar o diferendo com a Grécia. Uma dessas medidas foi mudar o nome do aeroporto que serve a capital do país, alterando-o de “Aeroporto Alexandre o Grande”, em alusão ao rei da Antiga Macedónia (que hoje inclui tanto aquela região do Norte da Grécia como a ex-república jugoslava), para “Aeroporto Internacional de Skopje”.

O nome do aeroporto principal da Macedónia foi alterado de “Aeroporto Alexandre o Grande” para “Aeroporto Internacional de Skopje”, numa medida do Governo macedónio para agradar à Grécia (ROBERT ATANASOVSKI/AFP/Getty Images)

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Embora reconheça a independência da Macedónia, a Grécia não reconhece o direito àquele país de ter aquele nome. O diferendo fica marcado por a Grécia também chamar Macedónia à região que abarca grande parte do Norte do seu país,  por ser o mesmo nome da região que abarca grande parte do Norte da Grécia. Com 34 mil quilómetros quadrados, esta é a maior região grega e a segunda mais populosa, com 2,4 milhões de habitantes que também se dizem “macedónios”. A sua maior cidade é Salónica.

Em 1993, a Macedónia passou a ser reconhecida pelas Nações Unidas, mas a pedido da Grécia passou a ser conhecida pela Antiga República Jugoslava da Macedónia (em português) ou por Former Yugoslavian Republic of Macedonia (em inglês). A designação inglesa valeu-lhe a sigla FYROM, frequentemente utilizada em fóruns e eventos internacionais para designar aquele país de 2 de milhões.

Juncker exorta Macedónia e Grécia a acabarem com diferendo diplomático sobre nome