Rádio Observador

McDonald's

McDonald’s virou o logótipo ao contrário para celebrar Dia das Mulheres

5.573

Pela primeira vez em 60 anos, a McDonald's virou o logótipo ao contrário. O "M" transform-se em "W" de "woman" para celebrar Dia das Mulheres. Iniciativa vai chegar a 100 restaurantes, todos nos EUA.

McDonald's

O símbolo da cadeia de restaurantes McDonald’s já mudou quatro vezes nos últimos em sete décadas, mas esta é a primeira vez na história que a marca vira o icónico logótipo dos arcos dourados ao contrário. A iniciativa serve para assinalar o Dia Internacional da Mulher, que é celebrado esta quinta-feira: o “M” de McDonald’s transformou-se num “W” de “Woman”, que em português significa “mulher”. Esta homenagem só foi adotada por 100 restaurantes e todos ficam nos Estados Unidos da América, berço da marca. Mas também pode ser vista nas redes sociais.

Foi tudo feito à mão: de acordo com a explicação dada por Wendy Lewis, diretora do departamento da diversidade do McDonald’s, os símbolos foram manualmente postos ao contrário para assinalar o dia em que são recordadas todas as batalhas pela igualdade entre géneros. Além disso, os funcionários dos restaurantes vão usar chapéus e t-shirts especiais, alusivos ao dia. “Isto foi feito em honra de todas as conquistas das mulheres em todo o lado”, disse Wendy Lewis.

As estatísticas dizem que, no McDonald’s, seis em cada 10 gestores de restaurantes são mulheres: “Temos um longo historial em apoiar as mulheres no local de trabalho”, garante a marca. O Dia das Mulher é, aliás, “uma boa oportunidade para as marcas sublinharem o seu compromisso com a emancipação da mulher”, explica à CNN o professor de marketing Tim Calkins da Universidade de Northwestern.

Isso é bom e tem-se mostrado eficaz: “Quando as marcas mais pequenas vêm as gigantes a tomar estas iniciativas, é mais provável que lhes sigam o exemplo”, conta. Um exemplo disso foi a campanha organizada pela State Street Corporation, uma empresa financeira que instalou a estátua de uma rapariga destemida — o monumento chamava-se “Fearless Girl” — à frente do Touro de Wall Street. Essa campanha serviu para chamar a atenção do público para os esforços que a State Street tem feito nos últimos temos para oferecer as mesmas oportunidades de trabalho a homens e a mulheres.

As celebrações do Dia da Mulher começaram na última quarta-feira para muitas empresas. Em Cincinnati, por exemplo, várias multinacionais alinharam na iniciativa Catalyst Skyline Takeover e projetaram o símbolo do sexo feminino — que é o símbolo de Vénus, ♀ — nos edifícios onde estão sediadas. Esse símbolo vai ficar aceso até ao final do dia de esta quinta-feira nos prédios de empresas como a Kroger. Quem não alinhou nesta iniciativa, juntou-se a outra: é que o Catalyst Skyline Takeover também está a ocorrer nas redes sociais e muitas empresas estão a usar hashtags como #SignOfProgress, #CatalystForChange, #WorkplacesThatWorkForWomen e #IWD2018 para assinalarem o dia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)