Rádio Observador

Cultura

Álex Pina criou “A Casa de Papel” porque queria ver ladrões a imprimir dinheiro

1.094

Entrevistámos o autor da série-fenómeno. Antes da estreia dos episódios finais na Netflix, o espanhol revela que "Breaking Bad" foi uma "grande influência". Segunda temporada? "Ainda não sei bem."

Autor
  • André Almeida Santos

Lembra-se de “Os Serranos”? Estávamos em 2005 e a TVI ainda jogava com a ficção nacional fora “Casa dos Segredos”, “Love On Top” e telenovelas. Ora bem, não importa se se lembra ou não. Mas fique a saber que o original foi uma criação de Álex Pina, o argumentista e produtor que está a dar que falar: foi da cabeça dele que saiu “A Casa de Papel”. É um dos fenómenos televisivos do último ano. E os episódios finais chegam dentro de duas semanas à Netflix.

Álex Pina tem carreira firmada na televisão. Além de “Los Serrano” (título original), cabem ainda no seu currículo “Periodistas”, “El Barco” e “Vis a Vis”. Graças a “A Casa de Papel” conseguiu uma enorme projecção internacional. Só teve uma das melhores ideias para um assalto na ficção de sempre: entrar na Casa da Moeda espanhola e imprimir dinheiro, ao invés de o roubar. É um golpe de génio que saiu da cabeça de um estratega que se autodenomina Professor (Álvaro Morte). Estivemos à conversa com o homem que criou El Professor. E Tokio, Berlín, Río, Nairobi, Denver, Helsinki, Moscú e Oslo. O gangue favorito de todos em 2018.

[o trailer de “A Casa de Papel”:]

Tem uma carreira sedimentada na televisão, tanto como produtor e argumentistas de séries. Como é que surgiu a ideia para “A Casa de Papel”?
Sou um grande entusiasta de ficção sobre assaltos, sejam filmes ou séries. E houve um momento na minha vida em que pensei: porque é que não faço algo do género para televisão? Porque esses tipos de enredos são mais comuns no cinema do que na TV. E numa série poderia trabalhar mais a fundo as personagens, porque nos filmes, como há menos tempo, o desenvolvimento costuma ser menor. Foi o desejo de trabalhar mais a fundo personagens nesse cenário que esteve na génese de “A Casa de Papel”. Foi complicado fazê-lo, mas creio que conseguimos.

E foi influenciado por alguma ficção?
Tanto numa série que trabalhei anteriormente, “Vis a Vis”, como em “A Casa de Papel”, preocupei-me muito com a ambiguidade moral das personagens: onde está o bem e onde está o mal. Por isso, “Breaking Bad” foi uma grande influência. É uma série que trabalha muito bem essa temática do bem e do mal nas personagens e como isso se vai disseminando e transformando as próprias personagens. Pode começar num sítio e terminar com uma existência, ou moralidade, totalmente diferente. “Breaking Bad” é um grande exemplo de uma série que faz isso muito bem. Mas existem outras, claro.

Fez algum tipo de investigação sobre como elaborar o assalto e como a polícia reagiria?
Trabalhámos com muita proximidade com um inspector da polícia que serviu como consultor da série. Ele ajudou-nos da melhor forma a tentar tornar a parte policial credível. Já o Professor e o seu plano, como têm características mais exuberantes, foram mais difíceis de investigar e escrever. Mas com a polícia foi fácil, tentámos que pensassem como polícias e que agissem como eles. É dos detalhes mais realistas de “A Casa de Papel”.

Em “A Casa de Papel” entra-se logo na acção. Por que é que quis que começasse com tanta força e energia?
Sentimos que tudo teria de acontecer dentro da Casa da Moeda. Escrevemos muitos inícios, mas quisemos sempre que entrassem lá o mais cedo possível. Era um desejo nosso que isso acontecesse em poucos minutos: não queríamos que o plano fosse contado de fora, as personagens teriam de estar lá dentro, com os reféns, com tudo a andar e a partir daí seriam revelados os detalhes.

Álex Pina

Qual a razão pela divisão da primeira temporada em dois momentos?
Em Espanha a série passou na Antena 3 e sabíamos que pelo meio iria meter-se o verão e a série teria de parar. Nas séries em Espanha, os episódios têm setenta minutos, por isso resolvemos fazer uma primeira parte com nove episódios, que terminaria com um grande cliffhanger, e depois mostraríamos os restantes seis passados dois meses. Na versão internacional ficou dividida em treze episódios mais nove. Mas a razão principal deve-se a essa paragem no verão.

Participou na reformulação dos episódios para a Netflix?
Sim, claro. Tivemos que montar a série toda de novo. O problema principal foi transformar episódios de setenta minutos para 45 minutos. Foi um trabalho muito intenso.

A ideia de um assalto que envolve impressão de dinheiro é original. Como surgiu?
Quando começámos a pensar num assalto percebemos que quase tudo já tinha sido feito e queríamos ser originais. Já tínhamos visto assaltos de tudo, diamantes, dinheiro, etc. Mas nunca tínhamos visto algo do género: imprimir o próprio dinheiro. Parecia algo muito interessante, um grupo de pessoas que não estão a roubar dinheiro que pertence a alguém, estão a imprimir o próprio dinheiro. E achámos que isso iria criar uma maior identificação dos ladrões com a audiência. A ambiguidade moral iria estar num lugar onde, por hábito, não costuma estar. Teria de ser um assalto diferente, algo que ainda não tivesse sido feito.

Pareceu-vos arrojado, na altura?
Sim, porque era um crime perfeito. E era um desafio criar ficção em contínuo neste cenário, dividida por episódios, ao longo das 136 horas que o assalto duraria. Foi muito complicado planear tudo para esse tempo todo.

Vê as personagens dos assaltantes como heróis ou anti-heróis?
Penso que são as duas coisas. São heróis porque o espectador se identifica com eles e acabam por ser anti-heróis porque são ladrões, de certa forma, perdedores. Quando o espectador está a ver a série, percebe os ladrões, apesar de estarem à margem da lei, está com eles. Do outro lado temos a polícia e o governo e, neste caso, não se quer estar do lado deles. Quisemos explorar essa dicotomia.

O molde das personagens e do próprio assalto e a sua relação com a audiência foi um modo de explorar o clima político, económico e social actual de Espanha?
Tem mais a ver com o clima actual global. Estamos num momento de cepticismo com o capitalismo, com os bancos centrais, o governo e até com qualquer ideia de revolução. Atacar a criação do dinheiro converteria os ladrões em heróis nacionais. Creio que esse ambiente geral, no mundo interior, ajuda na percepção da transformação dos ladrões em heróis.

Qual foi a personagem que lhe deu mais prazer em construir?
O trabalho com todos os actores foi impressionante. Interpretaram muito bem o texto. Gostei muito de construir o Berlín [Pedro Alonso], porque é muito excêntrico e isso deu maior liberdade na escrita, por causa da sua ironia, humor negro e por ter um pensamento completamente diferente das restantes personagens. E, claro, o Professor e a Inspectora [Itziar Ituño], como binómio, são personagens muito carismáticas e que crescem com a relação que têm. Agrada-me construir personagens ricos, completos e com muitas camadas. Penso que hoje em dia as personagens estão mais ricas em toda a ficção. E no caso de “A Casa de Papel” elas estão inseridas num plano estratégico, perfeito, com uma protagonista, Tokio [Úrsula Corberó], muito emocional, que cria uma grande empatia com o espectador.

O que tornou a série num êxito global?
Penso que tem a ver com o momento em que vivemos. Estamos cépticos face aos nossos governantes, aos bancos centrais, aos outros governos. A série junta várias coisas e tem um género perfeito para explorar todas essas dimensões. E tem um lado muito sentimental, emocional, com personagens que as pessoas gostam e que agradam tanto ao público feminino como masculino.

Vai fazer uma segunda temporada?
Honestamente ainda não sabemos o que fazer. Porque “A Casa de Papel” era uma série que se encerraria após uma temporada, por isso não sei mesmo o que iremos fazer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)