Rádio Observador

Madeira

Cortejo da Festa da Flor da Madeira assinala 600 anos da descoberta do arquipélago

138

Milhares de pessoas assistiram, no Funchal, à passagem do Cortejo Alegórico da Flor, da "Festa da Flor/2018", com o tema "Madeira - 600 Anos em Flor".

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Milhares de pessoas assistiram este domingo, no Funchal, à passagem do Cortejo Alegórico da Flor, da “Festa da Flor/2018”, com o tema “Madeira – 600 Anos em Flor”, numa associação às comemorações dos 600 anos da descoberta do arquipélago.

Madeirenses e turistas – a taxa de ocupação hoteleira na Madeira está nos 85% – concentraram-se entre a praça da Autonomia e a rotunda Harvey Foster, para ver passar os carros alegóricos profusamente decorados com flores de várias espécies, dando colorido e fragrância à iniciativa, e as coreografias dos participantes, também trajados com flores, ao som de trechos musicais conhecidos.

“Estou muito satisfeito, é o resultado do trabalho de quatro mil pessoas, este é um cartaz que, de ano para ano, se tem consolidado no panorama regional, até do ponto de vista das flores”, comentou o presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, salientando que uma ocupação hoteleira de 85% “não podia ser melhor”.

Para o governante madeirense, “a Festa da Flor é, hoje, o melhor cartaz da Região em termos turísticos”.

Miguel Albuquerque disse ainda que a Madeira está disponível para trabalhar com a companhia aérea espanhola Binter, para “operações comerciais, desde que haja possibilidade”.

Escusou-se, no entanto, a falar sobre o facto de esta companhia estar à frente, no concurso público internacional para a concessão, por três anos, da exploração dos serviços aéreos regulares na rota Porto Santo-Funchal-Porto Santo, como uma fonte ligada ao processo adiantou à agência Lusa.

Subordinado ao tema “Madeira – 600 Anos em Flor”, o cortejo alegórico da flor teve este ano a participação de 11 grupos, entre os quais “Seiscentas Primaveras” (de João Egídio Rodrigues), “30 anos em harmonia com as flores” (Turma do Funil), “Flores com História” (Associação de Animação Geringonça), “Madeira o despertar da Natureza” (Associação Fura Samba) e “Um Oceano de Flores” (Associação Cultural Império da Ilha).

“Richelieu” (Sorrisos de Fantasia), “Clássica” (Associação ANIMAD), “Floresta Encantada” (Escola de Samba Caneca Furada), “Pelos olhos de Zarco” (Associação Tramas e Enredos), “600 anos em Flor e as suas Princesas” (Dance Flavourz, by Francis Cardoso) e “Love Me Do” (de Isabel Borges) foram os outros temas e grupos participantes.

A “Festa da Flor”, que vai na 29.ª edição com o atual perfil, é considerada um dos principais cartazes da animação interna do destino turístico da Madeira, rivalizando com o da Passagem de Ano.

Este cartaz representa um investimento do Governo Regional no valor de 500.000 euros e compreende o envolvimento de 4.075 pessoas.

A edição deste ano da Festa da Flor é marcada pela sua descentralização, designadamente para os concelhos de Câmara de Lobos, Porto Moniz, Calheta, Santana, Machico e São Vicente, não se restringindo à cidade do Funchal, e tem a duração de quatro semanas (de 19 de abril a 13 de maio).

O “Muro da Esperança”, uma das atrações deste cartaz e que consiste num cortejo de crianças que levam consigo uma flor que depositam, no final, no muro feito de vegetação verde, simbolizando a esperança de um mundo melhor, foi este ano adiada para o próximo sábado devido às más condições atmosféricas [chuva].

Além dos tapetes florais, da animação de rua com grupos folclóricos e bandas, da 63ª Exposição da Flor, dos concertos, este ano a Festa contará, na última semana, com instalações de estruturas florais, algumas de grandes dimensões, na Praça do Povo e ao longo da Avenida Sá Carneiro, no Funchal.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)