Angola

Angola vê “sinais positivos” para desfecho da crise na RDCongo

O Presidente angolano assumiu que "há sinais" que apontam para um desfecho satisfatório da crise na República Democrática do Congo.

JOOST DE RAEYMAEKER/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente angolano, que lidera o órgão de concertação política, defesa e segurança da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) assumiu que “há sinais” que apontam para um desfecho satisfatório da crise na República Democrática do Congo.

A posição foi assumida por João Lourenço no discurso de abertura da cimeira de chefes de Estado e de Governo da “Dupla Troika” da SADC, que junta hoje em Luanda os Presidentes da República da África do Sul, Namíbia, Zâmbia, República Democrática do Congo (RDCongo), o vice-Presidente da Tanzânia e o primeiro-ministro do Lesoto.

Para o chefe de Estado angolano, há “mais motivos para acreditar” que a situação na RDCongo “caminha para um desfecho satisfatório”, nomeadamente a marcação, para 23 de dezembro próximo, das eleições presidenciais no país e a realização do registo eleitoral.

“São sinais que podem contribuir significativamente para o necessário e urgente desanuviamento das tensões internas na RDCongo e para o reforço da confiança mútua entre o Governo, a oposição e a sociedade civil”, afirmou João Lourenço.

“Em função desta nova atmosfera”, acrescentou o chefe de Estado angolano, é necessário “apelar a todos os intervenientes diretos no processo de regularização do conflito na RDCongo que façam prova de sabedoria, de patriotismo e de máxima contenção nos momentos mais críticos”.

Olhando em primeiro lugar para os interesses nacionais, para que consigam superar as diferenças e construam espaços de convergência que privilegiem a paz, a segurança, a estabilidade e a reconciliação nacional”, disse ainda.

Ainda assim, o chefe de Estado angolano não esconde a preocupação com a violência em algumas regiões do país vizinho, nomeadamente no leste, cujos conflitos chegaram a levar à fuga de 30.000 refugiados congoleses, em 2017, para Angola.

“Continuamos, contudo, preocupados com a situação reinante no leste da RDCongo, onde grupos rebeldes, com destaque para a Aliança das Forças Democráticas (AFDL), continuam a ceifar vidas de pacíficos cidadãos, entre elas mulheres e crianças, inviabilizando o desenvolvimento económico e social do país”, enfatizou na abertura da cimeira, convocada para analisar, entre outros assuntos, a situação naquela país da África Austral.

Na origem da instabilidade interna na RDCongo está a permanência no poder de Joseph Kabila, Presidente da República desde 2001, com contínuas manifestações da oposição e da comunidade católica, reprimidas pelas forças de segurança.

O país conta igualmente com a Missão das Nações Unidas na República Democrática do Congo (MONUSCO), a maior força da ONU no mundo, com mandado até março do próximo ano e 16.000 militares, que deverão apoiar o processo eleitoral, nomeadamente no recenseamento dos eleitores, a própria votação e a transição do poder, esperado, segundo o calendário oficial, para 12 de janeiro de 2019.

Kabila manter-se-á no poder pelo menos até janeiro de 2019, mais de dois anos depois de ter terminado o seu segundo mandato, em dezembro de 2016.

Segundo a Constituição da RDCongo, o Presidente da República só pode exercer as funções durante dois mandatos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)