Rádio Observador

PS

PS/Congresso: Costa quer “caso Sócrates” fora da agenda e pede debate sobre o futuro

242

O secretário-geral do PS tem pedido aos seus militantes que façam no Congresso do partido um debate sobre o futuro, procurando afastar casos do presente, como o que envolve José Sócrates.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O secretário-geral do PS tem pedido aos seus militantes que façam no Congresso, que começa na sexta-feira, um debate sobre o futuro, procurando afastar casos do presente, como o que envolve o antigo primeiro-ministro José Sócrates. “Não faz sentido que o nosso Congresso do PS seja sobre o presente, mas sobre o futuro do nosso país”, sustentou António Costa no passado dia 8, numa sessão de esclarecimento com militantes socialistas da FAUL (Federação da Área Urbana de Lisboa), poucos dias depois de José Sócrates ter anunciado a sua desfiliação deste partido.

Na mesma sessão, o secretário-geral do PS fez questão de acrescentar que o seu partido não deve “olhar para o drama de hoje, nem para a questão que se vai colocar amanhã, podendo antes concentrar-se no horizonte de médio e longo prazo”.

Desde que António Costa assumiu a liderança do PS, em novembro de 2014, esta é a segunda vez em que episódios que decorrem do processo judicial de José Sócrates rodeiam um congresso dos socialistas. Em novembro de 2014, duas semanas após José Sócrates ser sujeito a prisão preventiva por suspeitas de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal, o atual secretário-geral do PS, logo à entrada para o congresso, deixou um apelo no sentido de que os delegados socialistas separassem ao longo dos trabalhos as questões de justiça e de política – um pedido que foi cumprido.

O “caso Sócrates” regressou em força ao PS no mês passado, depois da divulgação pela SIC de parte dos interrogatórios judiciais a que foi submetido o antigo primeiro-ministro. A eurodeputada socialista Ana Gomes defendeu então que o seu partido não podia “continuar a esconder a cabeça na carapaça da tartaruga” e que este Congresso, na Batalha, no distrito de Leiria, era a “oportunidade para escalpelizar como [o PS] se prestou a ser instrumento de corruptos e criminosos”.

Dias depois, foi o próprio presidente do PS, Carlos César, a afirmar que, a confirmarem-se, as suspeitas em torno de José Sócrates e do antigo ministro Manuel Pinho, gerar-se-á “uma situação incompreensível e lamentável”. Relativamente ao caso específico de José Sócrates completou: “A vergonha até é maior porque era primeiro-ministro”.

Na mesma linha, o porta-voz dos socialistas, João Galamba, que entrou para a bancada do PS em 2009 por indicação de José Sócrates, considerou que “envergonha qualquer socialista” quando se vê um ex-primeiro-ministro e secretário-geral do PS acusado de corrupção e branqueamento de capitais”. “Obviamente, envergonha qualquer socialista, sobretudo se as matérias de que é acusado vierem a confirmar-se”, acrescentou.

Durante uma visita oficial ao Canadá, António Costa foi questionado pelos jornalistas se concordava com estas posições de Carlos César. “Se essas ilegalidades se vierem a confirmar, serão certamente uma desonra para a nossa democracia. Mas se não se vierem a confirmar é a demonstração que o nosso sistema de justiça funciona”, respondeu, horas antes de José Sócrates anunciar a sua desfiliação do partido, alegando não aceitar “julgamentos antecipados por parte de camaradas” seus.

António Costa afirmou depois respeitar a “decisão pessoal de José Sócrates”, mas manifestou-se “surpreendido, porque não há qualquer tipo de mudança da posição da direção do PS sobre aquilo que escrupulosamente tem dito desde o início: Separação entre aquilo que é da justiça e aquilo que é da política”.

Dentro do PS, o “histórico” António Campos e o dirigente Daniel Adrião estiveram entre os poucos que condenaram publicamente a atuação de membros da direção como João Galamba e Carlos César, alegando, também, tal como José Sócrates, que os dois fizeram um julgamento antecipado sem respeitar a norma da presunção de inocência própria de um Estado de Direito.

O eurodeputado socialista Francisco Assis, em entrevista esta terça-feira ao jornal “Público”, assumiu uma posição original: Recusou a criminalização das políticas dos governos de Sócrates, elogiou “a coerência” de António Costa perante este caso, mas deixou uma farpa dirigida a João Galamba. “Houve outras pessoas do PS que realmente mudaram de posição [em relação a Sócrates]. Não tenho nenhuma teoria explicativa para essa mudança”, disse.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Parlamento Europeu

Portugal poucachinho na Europa. E cá?

Bruno Martins

Se estes são os representantes que conseguimos ter, então não é de espantar que os Portugueses tenham cada vez menos interesse na Europa e que a abstenção continue a aumentar nessas eleições.

Combustível

Teorias da conspiração /premium

Manuel Villaverde Cabral

A única coisa que não sabemos ao certo acerca da greve dos camionistas é se o governo a combate a sério, servindo-se para isso da implantação do PS na organização do patronato, ou se finge combatê-la.

Combustível

Uma história de hipocrisia /premium

Paulo Tunhas
452

António Costa precisa, quanto mais não seja por causa da dúbia origem do seu poder, de afirmar constantemente a sua autoridade. Daí também ter encenado um espectáculo sem par.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)