Rádio Observador

Educação

Conselho de Ministros aprova Flexibilidade Curricular

285

Decreto-lei aprovado prevê novas disciplinas. As aprendizagens essenciais do aluno substituem as metas curriculares de Crato e a Educação Física volta a contar para a média de acesso ao Superior.

Para quem pretende continuar o percurso académico na universidade, há ainda uma nota importante: o decreto-lei elimina os requisitos discriminatórios para os alunos do ensino profissional

MARIO CRUZ/LUSA

A partir do próximo ano, todas as escolas que queiram vão poder aderir à flexibilidade curricular. A intenção já tinha sido anunciada pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, mas foi agora tornada oficial com a aprovação em Conselho de Ministros do decreto-lei que estabelece o currículo do Ensino Básico e Secundário.

Esta não é única alteração do diploma. Haverá novas disciplinas em todas as escolas — a Cidadania e Desenvolvimento e a Tecnologias de Informação e Comunicação — e as aprendizagens essenciais do aluno vêm substituir as metas curriculares do tempo do ministro Nuno Crato.

Ainda ao nível de disciplinas, uma das grandes novidades para o próximo ano letivo (e que dividiu a opinião da comunidade educativa durante a consulta pública) é a contagem da nota de Educação Física para a média de acesso ao Ensino Superior.

Para quem pretende continuar o percurso académico na universidade, há ainda uma nota importante: o decreto-lei elimina os requisitos discriminatórios para os alunos do ensino profissional, passando todos os estudantes a concorrer em pé de igualdade. Manuel Heitor, que tem a pasta do Ensino Superior no governo de António Costa, já anunciara a intenção de criar um concurso especial de acesso para alunos que concluam o secundário pelas vias profissional ou artística, com efeitos já a partir do próximo ano letivo.

Por último, na área da Educação, o Conselho de Ministros desta quinta-feira aprovou também o decreto-lei que estabelece o regime jurídico da educação inclusiva e que prevê uma maior integração de crianças e jovens com deficiência. Segundo a nota do Conselho de Ministro, este diploma tem como eixo central a necessidade de cada escola “reconhecer a mais-valia da diversidade dos seus alunos, encontrando formas de lidar com essa diferença”.

Flexibilidade irá além das 235 escolas do projeto-piloto

Os argumentos para a decisão de avançar com o decreto-lei sobre o currículo do básico e do secundário, que não tem gerado consensos na sociedade portuguesa, estão explicados na nota da Presidência do Conselho de Ministros: este é mais “um passo para ter uma política educativa que garante igualdade de oportunidades e sucesso escolar”.

Por outro lado, salienta-se que os desafios que surgem com estas mudanças “obrigam as escolas a ter de preparar as crianças para tecnologias não inventadas e para a resolução de problemas que ainda se desconhecem”.

E porquê esta necessidade de educar para algo que não existe? Por se revelar “necessário desenvolver nos alunos competências que lhes permitam questionar a sabedoria estabelecida, integrar conhecimentos emergentes, comunicar eficientemente, resolver problemas complexos e promover o bem-estar”, defende-se no comunicado.

Para que isso seja possível nas diferentes escolas e para diferentes alunos, o decreto-lei “vem conferir autonomia curricular às escolas e reforçar a flexibilidade dos currículos, de modo a que sejam aprofundadas e enriquecidas as aprendizagens essenciais”.

Durante o último ano letivo, a flexibilidade curricular foi testada em 235 escola de todo o país, com os diretores de agrupamentos a acreditar que mais estabelecimentos de ensino irão querer em 2018/2019 aderir ao projeto.

Quem integra o projeto piloto do Ministério da Educação, tem uma autonomia de até 25% para mexer nos currículos, nos métodos de ensino e nas metodologias usadas nas salas de aula. Unir matéria de diferentes disciplinas, ou criar outras novas, também é possível, assim como encontrar novas formas de gerir o tempo.

A partir do próximo ano letivo, a flexibilidade é alargada a todas as escolas que a ela queiram aderir, não sendo obrigatório fazê-lo.

Sobre a flexibilidade curricular e os currículos do básico e secundário, vários pareceres foram conhecidos durante o período de consulta pública.

O Conselho Nacional de Educação — que a pedido do Ministério de Educação analisou o então projeto de decreto-lei — deixou um conselho muito claro ao governo: se a flexibilidade curricular vai avançar é fundamental que as escolas tenham poder para contratar os professores que precisam.

Já o Conselho de Escolas considerou desnecessária a alteração no número de disciplinas nas escolas do 2.º e 3.º ciclo do ensino básico e critica o caráter obrigatório dos novos currículos. Mas o parecer do órgão que representa os diretores de escola junto da tutela esteve longe de ser consensual: 15 votos a favor e 12 contra, com uma declaração de voto assinada por 1o diretores, todos favoráveis às alterações propostas pelo ministério. Entre estes 10 que a assinaram, encontram-se todos os diretores do Conselho de Escolas que já têm a flexibilidade no estabelecimento de ensino que dirigem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)