Educação

Conselho de Ministros aprova Flexibilidade Curricular

285

Decreto-lei aprovado prevê novas disciplinas. As aprendizagens essenciais do aluno substituem as metas curriculares de Crato e a Educação Física volta a contar para a média de acesso ao Superior.

Para quem pretende continuar o percurso académico na universidade, há ainda uma nota importante: o decreto-lei elimina os requisitos discriminatórios para os alunos do ensino profissional

MARIO CRUZ/LUSA

A partir do próximo ano, todas as escolas que queiram vão poder aderir à flexibilidade curricular. A intenção já tinha sido anunciada pelo ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, mas foi agora tornada oficial com a aprovação em Conselho de Ministros do decreto-lei que estabelece o currículo do Ensino Básico e Secundário.

Esta não é única alteração do diploma. Haverá novas disciplinas em todas as escolas — a Cidadania e Desenvolvimento e a Tecnologias de Informação e Comunicação — e as aprendizagens essenciais do aluno vêm substituir as metas curriculares do tempo do ministro Nuno Crato.

Ainda ao nível de disciplinas, uma das grandes novidades para o próximo ano letivo (e que dividiu a opinião da comunidade educativa durante a consulta pública) é a contagem da nota de Educação Física para a média de acesso ao Ensino Superior.

Para quem pretende continuar o percurso académico na universidade, há ainda uma nota importante: o decreto-lei elimina os requisitos discriminatórios para os alunos do ensino profissional, passando todos os estudantes a concorrer em pé de igualdade. Manuel Heitor, que tem a pasta do Ensino Superior no governo de António Costa, já anunciara a intenção de criar um concurso especial de acesso para alunos que concluam o secundário pelas vias profissional ou artística, com efeitos já a partir do próximo ano letivo.

Por último, na área da Educação, o Conselho de Ministros desta quinta-feira aprovou também o decreto-lei que estabelece o regime jurídico da educação inclusiva e que prevê uma maior integração de crianças e jovens com deficiência. Segundo a nota do Conselho de Ministro, este diploma tem como eixo central a necessidade de cada escola “reconhecer a mais-valia da diversidade dos seus alunos, encontrando formas de lidar com essa diferença”.

Flexibilidade irá além das 235 escolas do projeto-piloto

Os argumentos para a decisão de avançar com o decreto-lei sobre o currículo do básico e do secundário, que não tem gerado consensos na sociedade portuguesa, estão explicados na nota da Presidência do Conselho de Ministros: este é mais “um passo para ter uma política educativa que garante igualdade de oportunidades e sucesso escolar”.

Por outro lado, salienta-se que os desafios que surgem com estas mudanças “obrigam as escolas a ter de preparar as crianças para tecnologias não inventadas e para a resolução de problemas que ainda se desconhecem”.

E porquê esta necessidade de educar para algo que não existe? Por se revelar “necessário desenvolver nos alunos competências que lhes permitam questionar a sabedoria estabelecida, integrar conhecimentos emergentes, comunicar eficientemente, resolver problemas complexos e promover o bem-estar”, defende-se no comunicado.

Para que isso seja possível nas diferentes escolas e para diferentes alunos, o decreto-lei “vem conferir autonomia curricular às escolas e reforçar a flexibilidade dos currículos, de modo a que sejam aprofundadas e enriquecidas as aprendizagens essenciais”.

Durante o último ano letivo, a flexibilidade curricular foi testada em 235 escola de todo o país, com os diretores de agrupamentos a acreditar que mais estabelecimentos de ensino irão querer em 2018/2019 aderir ao projeto.

Quem integra o projeto piloto do Ministério da Educação, tem uma autonomia de até 25% para mexer nos currículos, nos métodos de ensino e nas metodologias usadas nas salas de aula. Unir matéria de diferentes disciplinas, ou criar outras novas, também é possível, assim como encontrar novas formas de gerir o tempo.

A partir do próximo ano letivo, a flexibilidade é alargada a todas as escolas que a ela queiram aderir, não sendo obrigatório fazê-lo.

Sobre a flexibilidade curricular e os currículos do básico e secundário, vários pareceres foram conhecidos durante o período de consulta pública.

O Conselho Nacional de Educação — que a pedido do Ministério de Educação analisou o então projeto de decreto-lei — deixou um conselho muito claro ao governo: se a flexibilidade curricular vai avançar é fundamental que as escolas tenham poder para contratar os professores que precisam.

Já o Conselho de Escolas considerou desnecessária a alteração no número de disciplinas nas escolas do 2.º e 3.º ciclo do ensino básico e critica o caráter obrigatório dos novos currículos. Mas o parecer do órgão que representa os diretores de escola junto da tutela esteve longe de ser consensual: 15 votos a favor e 12 contra, com uma declaração de voto assinada por 1o diretores, todos favoráveis às alterações propostas pelo ministério. Entre estes 10 que a assinaram, encontram-se todos os diretores do Conselho de Escolas que já têm a flexibilidade no estabelecimento de ensino que dirigem.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt
Escolas

É agora que se aposta no sucesso escolar de 2019

Diogo Simões Pereira
228

É agora que os alunos, sobretudo os que receberam notas negativas como “presente de Natal”, têm de decidir se querem ou não fazer um esforço extra durante os próximos seis meses.

IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)