PSD

Barreiras Duarte desistiu do doutoramento na Autónoma

O ex-secretário-geral do PSD desistiu do doutoramento que frequentava na Universidade Autónoma. A universidade não chegou a pedir obrigação de frequência de aulas. "Ele antecipou-se", diz.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O ex-secretário-geral do PSD Feliciano Barreiras Duarte comunicou à Universidade Autónoma que “desistiu da sua condição de doutorando” na instituição, razão pela qual a academia nem chegou a apreciar o parecer que pedia obrigação de frequência de aulas.

“Ele antecipou-se, no sentido de escrever uma carta às entidades competentes — à universidade e ao presidente do Conselho Científico — e consequentemente desistiu da sua condição de doutorando na Universidade Autónoma. O Conselho Científico limitou-se a constatar essa mesma renúncia e arquivou o processo”, disse à Lusa o diretor de administração escolar da Universidade Autónoma, Reginaldo de Almeida.

Tal como foi noticiado pelo Público na edição de quinta-feira, o Conselho Científico da instituição reuniu-se na quarta-feira para analisar, e, se assim o decidisse, ratificar a proposta de decisão da Comissão Científica de Direito, que recomendava a frequência de aulas a Feliciano Barreiras Duarte, por entender que não estavam reunidas as condições legais pelas quais este poderia ser dispensado de as frequentar.

Tendo presente que ele espontaneamente pede a renúncia ao seu estatuto de doutorando, é ele que claudica e consequentemente o Conselho Científico deixou de ter objeto”, disse Reginaldo de Almeida.

Em abril, na sequência de um grupo de trabalho criado para avaliar as irregularidades denunciadas no percurso académico de Barreiras Duarte, a Comissão Científica de Direito “deliberou por unanimidade” que teria que assistir às aulas da componente curricular do doutoramento para poder continuar inscrito. A análise do grupo de trabalho pretendia avaliar a existência de irregularidades e, caso se confirmassem, se se justificava revogar a decisão de dispensar o ex-secretário-geral do PSD da parte curricular do doutoramento com base na existência de “um currículo muito relevante”, uma possibilidade prevista na lei.

A Comissão Científica concluiu ter sido “induzida em erro” em relação ao percurso académico de Feliciano Barreiras Duarte, que nunca foi, afinal, visiting scholar (investigador convidado) da universidade norte-americana de Berkeley, tal como alegava no seu currículo, usado como argumento para dispensa da frequência de aulas no doutoramento. O habitual, explicou Reginaldo de Almeida em abril, é que o Conselho Científico ratifique as propostas das comissões científicas.

Ao antecipar-se a uma eventual decisão desfavorável, Barreiras Duarte esvaziou a ordem de trabalhos da reunião de quarta-feira, o que levou a que não houvesse qualquer pronúncia. “O que estava inscrito na ordem de trabalhos do Conselho Científico era efetivamente avaliar a proposta da Comissão Científica de Direito e a proposta era de considerar relevante o estatuto de ‘visiting scholar’ em Berkeley. Como ele, entretanto, desistiu do doutoramento deixou de ter objeto”, disse Reginaldo de Almeida.

A Lusa tentou contactar Feliciano Barreiras Duarte a este propósito, mas não obteve qualquer resposta até ao momento.

A denúncia das irregularidades no percurso académico do ex-secretário-geral do PSD levaram a que se demitisse do cargo, um mês após ter sido eleito no congresso do partido, que também elegeu Rui Rio como presidente. “Não tirei qualquer proveito da Universidade de Berkeley — nem financeiro, nem de grau académico, nem profissional, nem político”, disse Feliciano Barreiras Duarte, em comunicado, no momento da sua demissão.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Cá a direita vale menos do que na Venezuela? /premium

Miguel Pinheiro
100

Se o PSD é um partido de esquerda, então a direita em Portugal está reduzida ao CDS. Ou seja, vale 7%. Ou menos. Como nem na Venezuela a direita é tão tristemente exígua, alguém anda enganado.

Política

A direita deve unir-se num só partido /premium

André Abrantes Amaral

Perante a bipolarização escamoteada da política portuguesa uma coligação pré-eleitoral, de preferência uma fusão do PSD, CDS e Aliança num só partido de direita não só se torna necessária como natural

Crónica

O Rato rebolou a rir do repto a Rui Rio /premium

Tiago Dores
437

Eu acho estupendo. Propinas gratuitas, livros gratuitos, transportes gratuitos, tudo gratuito para toda a gente. Por este caminho o mais provável é acabarmos a trabalhar gratuitamente para o Estado.

PSD

A importância da regra do jogo /premium

Maria João Avillez

Eis Montenegro, com uma velocidade igual á infelicidade: que o faz correr agora? Mas o que ele disse foi inversamente proporcional ao estrépito com que galopou para a sela do PSD (que não a do país).

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)