Há cada vez mais dados conhecidos sobre o primeiro eléctrico da nova vaga da Audi, que se denominará e-tron e que se assumirá como um SUV 100% eléctrico, apontando armas aos Tesla Model X e ao novo Jaguar I-Pace. O novo veículo, de que a marca alemã libertou agora mais uma série de fotos que permitem apercebermo-nos de todos os pormenores da carroçaria, possui um aspecto musculado e um bom valor de coeficiente de penetração aerodinâmica (Cx de 0,28).

Mas para obter o melhor valor possível de Cx, pois dele depende a autonomia, o que num automóvel eléctrico é crucial, a Audi não se poupou a esforços, em parte porque se sabe que cada centésimo ganho no Cx equivale a mais 5 km de autonomia. Além de ter montado alguns dos vidros à face da carroçaria, para evitar turbulência aerodinâmica, o fabricante apostou no fundo do carro completamente carenado, para canalizar o ar que passa sob o chassi. Mas talvez o ponto mais importante seja a adopção de retrovisores exteriores virtuais, ou seja, em vez dos habituais espelhos apontando para a traseira, o e-tron vai ter pequenas câmaras de vídeo viradas para trás, cuja imagem é projectada nos ecrãs montados nos pilares do tejadilho, colocados junto à porta.

Com isto, a Audi afirma ganhar 15 cm na largura do veículo e evitar o ruidoso turbilhão que os retrovisores exteriores tradicionalmente provocam. O mais curioso é que a utilização de câmaras de vídeo a desempenhar o papel de retrovisores não era, até há bem pouco tempo, uma solução aceite pelo legislador, o que torna óbvio que os responsáveis da marca sabem algo que ainda não é do domínio público, mas que a bem do aerodinamismo faz todo o sentido.

O e-tron vai estar disponível em várias versões, com a Audi a revelar a autonomia de uma delas, muito provavelmente a mais acessível, para a qual anuncia 400 km (já segundo o WLTP), o que está longe de ser um dos melhores valores do segmento, estatuto certamente reservado para os e-tron equipados com maior capacidade de bateria. Basta ter presente que se o Model X ainda não possui uma autonomia anunciada segundo o WLTP, o mesmo não acontece com o Jaguar I-Pace, que anuncia 480 km com uma bateria de 90 kWh.