Ambiente

Devolução paga de garrafas de plástico mudaria comportamentos, defendem ambientalistas

1.512

A proposta é simples: quando se compra uma garrafa de plástico descartável, por exemplo de água, é paga uma tara. Esse dinheiro é devolvido no momento em que a garrafa também o for.

DIEGO AZUBEL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Ambientalistas defendem propostas para limitar os plásticos de utilização única e adotar taras recuperáveis, que poderiam colocar Portugal “na linha da frente” contra este poluente, apontando que a devolução paga da embalagem, mesmo descartável, iria alterar comportamentos.

As várias medidas em cima da mesa, nomeadamente aquelas avançadas pelos partidos na Assembleia da República, “para legislar sobre descartáveis, taras recuperáveis ou maior aumento de garrafas reutilizáveis, podem colocar Portugal na linha da frente” na luta contra os plásticos, disse à agência Lusa Carmen Lima, da Quercus.

“Somos dos países europeus com maior costa e mais expostos à poluição marinha, por isso, temos uma maior responsabilidade, e, se aquelas propostas forem aprovadas, começamos a dar resposta a questões” colocadas no documento da Comissão Europeia com a meta de, por exemplo, recolher 90% das garrafas de bebidas de plástico descartáveis até 2025.

Para Susana Fonseca, da Associação Sistema Terrestre Sustentável Zero, “provavelmente o único caminho” para se atingir aquele objetivo será introduzir um sistema de tara também para as embalagens não retornáveis, recicláveis, como existe em alguns países, nomeadamente na Noruega.

“Face aos resultados atuais, em Portugal e em outros países, sem um sistema de depósito, não vamos chegar lá”, realçou, em declarações à agência Lusa. A proposta é que a cada compra de uma garrafa, por exemplo de água, mesmo de uso único, descartável, é paga uma tara e só quando é devolvida a embalagem, a uma máquina ou a um funcionário, é recebida a tara.

“Isto vai modelar o comportamento, levando a que as pessoas não abandonem as embalagens ou as coloquem no ecoponto errado”, defende Susana Fonseca.

Assinalando que “é difícil imaginar a sociedade sem plástico”, Carmen Lima salienta que esta característica acabou por tornar-se um problema para o ambiente. O plástico deixado na natureza dispersa-se e vai parar aos oceanos, onde se fragmenta em pedaços muito pequenos, sendo ingeridos pelos animais e chegando ao prato dos consumidores, no sal, algas, peixes e aves.

As duas ambientalistas concordam quanto ao conhecimento que os portugueses já têm do problema e também quanto à resistência à mudança de hábitos e ao desconhecimento acerca de alternativas mais amigas do ambiente em produtos como cotonetes, talheres, palhinhas ou paus de balões, focados nas políticas comunitárias.

A Quercus aponta que as medidas na restauração serão mais fáceis de aplicar, já que a associação do setor tem um projeto para sensibilizar os seus associados e existe “alguma preocupação e consciência do Ministério do Ambiente, assim como de várias associações” e da própria indústria, para a necessidade de reduzir o consumo de plástico.

A ambientalista da Zero espera que haja políticas públicas para que as embalagens reutilizáveis sejam mais baratas, com o consumidor a pagar somente o conteúdo.

Outra vertente da análise é: “Quem coloca os produtos no mercado deve ser responsável pelos custos inerentes ao seu correto tratamento em final de vida, isso poderia diferenciar as soluções mais sustentáveis das menos sustentáveis”, descreve Susana Fonseca.

Comentando a questão de quem paga o custo deste sistema neste momento, a ambientalista da Zero responde: “Somos todos nós enquanto sociedade pois os resíduos vão parar aos sítios mais estranhos, com impactos para o ambiente e para a nossa saúde”.

É necessário proporcionar a mudança, porque, enquanto o consumidor tiver à sua disposição uma embalagem descartável, mais prática e muitas vezes mais barata do que uma reutilizável, for a um restaurante e não for beneficiado por levar as suas embalagens, é mais difícil que mais pessoas se mobilizem”, resumiu Susana Fonseca.

A Zero não defende, porém, a substituição do plástico fóssil pelo biodegradável, por exemplo nos copos, pois “os recursos têm sempre de vir de algum lado, há é que acabar com a cultura do descartável e substituir o plástico por outros materiais”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estilo de Vida

Viver ou não viver em modo light /premium

Teresa Espassandim

Continuarei assim a encontrar-me com as Carolinas e os Hugos que na fluidez das suas vidas tiveram de desacelerar e ancorar e, por uns tempos, não ir na corrente até saberem para onde e como querem ir

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)