Vacinas

Cientistas identificam possível alvo para vacina contra sífilis

Uma equipa de microbiólogos analisou geneticamente a bactéria da sífilis recolhida de amostras de doentes da Colômbia, de São Francisco (Estados Unidos) e República Checa.

HOTLI SIMANJUNTAK/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Um grupo de cientistas identificou um possível alvo para uma vacina contra a sífilis em proteínas da bactéria que causa a doença sexualmente transmissível, foi divulgado esta terça-feira.

A sífilis, a segunda maior causa de abortos espontâneos e nados-mortos no mundo, tem sido uma doença difícil de estudar porque, ao contrário de outras patologias provocadas por bactérias, não pode ser reproduzida em laboratório em placas de Petri ou em ratinhos.

Além das pessoas, o único animal suscetível à doença é o coelho, que elimina rapidamente a infeção, pelo que novos coelhos têm de ser regularmente infetados para manter ativa uma estirpe da “Treponema pallidum”, a bactéria que causa a sífilis. Por outro lado, explica em comunicado a universidade norte-americana de Connecticut, que liderou a investigação, a bactéria na origem da doença, transmissível por contacto sexual, é muito delicada, sendo por isso difícil de manobrar em laboratório.

No novo estudo, divulgado na publicação digital da especialidade mBio, uma equipa de microbiólogos analisou geneticamente a bactéria da sífilis recolhida de amostras de doentes da Colômbia, de São Francisco (Estados Unidos) e República Checa, concluindo que as estirpes bacterianas eram bastante semelhantes, havendo entre elas poucas diferenças genéticas.

Os cientistas suspeitaram que os poucos genes mutantes da bactéria expressavam o tipo de proteínas que andavam à procura – as que habitualmente estão na membrana externa de uma bactéria e que são a forma de o sistema imunitário reconhecer um invasor bacteriano. Usaram então um programa de modelação computacional para conceber um modelo das proteínas que os genes mutantes expressam e depois produziram-nas em laboratório.

Posteriormente, criaram os anticorpos para essas proteínas e verificaram, sem o comunicado da Universidade de Connecticut especificar como, que estes anticorpos atacavam a membrana exterior intacta da bactéria “Treponema pallidum”. Na etapa final do estudo, a equipa partiu da pista dada pelos genes mutantes para procurar e encontrar os genes que codificam para proteínas da membrana exterior da bactéria que nunca se alteram.

Para os cientistas, tal é importante, pois proteínas que sofrem muitas mutações para se esconder do sistema imunitário não são boas candidatas a uma vacina.

Num próximo passo, os investigadores pretendem usar estas proteínas para imunizar coelhos e ver se podem funcionar como uma vacina contra a sífilis, doença que se não for tratada pode causar demência e outras patologias neurológicas.

Em Portugal, o mais recente Inquérito Serológico Nacional, de 2015-2016, apontou uma prevalência da sífilis em 2,4% dos adultos portugueses com 18 ou mais anos. O inquérito do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge, que incluiu pela primeira vez o estudo da prevalência de infeções sexualmente transmissíveis, contou com a participação de 4.866 pessoas e foi apresentado em outubro, atualizando os dados de 2001-2002.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Vacinas

“De deputado e de louco todos temos um pouco”

Patrícia Pacheco

A vacinação é muito bem vista em Portugal pela opinião pública, o nosso Plano Nacional é reconhecidamente um dos melhores do mundo. Nada melhor do que aproveitar a boleia e colar a política ao tema!

Vacinas

O Orçamento e as prioridades na Saúde

Fernando Leal da Costa
102

Como diria Graham Greene a propósito da alteração na AR da política de vacinação, agora que os deputados tiveram uma ideia, “eles são perigosos porque têm uma ideia, não sabem qual, mas têm uma ideia”

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)