Ilustração

Madalena Matoso vence Prémio Nacional de Ilustração com “Não é nada difícil”

436

O júri do Prémio Nacional decidiu "por unanimidade" atribuir o prémio, no valor de 10 mil euros, a Madalena Matoso "pelo conjunto de ilustrações do livro 'Não é nada difícil".

ESTELA SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A ilustradora Madalena Matoso venceu a 22.ª edição do Prémio Nacional de Ilustração com o livro “Não é nada difícil”, anunciou esta sexta-feira a Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB).

O júri, reunido na quinta-feira, decidiu “por unanimidade” atribuir o prémio, no valor de 10 mil euros, a Madalena Matoso “pelo conjunto de ilustrações do livro ‘Não é nada difícil’ (texto da própria), publicado pela Planeta Tangerina”, refere a DGLAB num comunicado enviado hoje à agência Lusa.

Esta é a segunda vez que Madalena Matoso vence o Prémio Nacional de Ilustração, depois de, em 2008, ter recebido o galardão pelas ilustrações do livro “Charada da Bicharada”, de Alice Vieira.

Antes de Madalena Matoso, Teresa Lima tinha sido a única ilustradora a receber o prémio por duas vezes: em 2006 com “Histórias de animais”, de Rudyard Kipling, e em 1998 com “Alice no País das Maravilhas”, de Lewis Carroll.

Em maio, “Não é nada difícil” foi reconhecido como uma das 30 melhores obras visuais e de ilustração de todo o mundo e esteve em destaque numa feira de negócio livreiro em Nova Iorque. No livro, editado no ano passado pela Planeta Tangerina, da qual é cofundadora, a ilustradora desenvolve a narrativa à medida que o leitor ultrapassa vários labirintos ilustrados.

O júri atribuiu ainda duas menções especiais, uma “a Abigail Ascenso pelas ilustrações da obra ‘A Noite’, com texto de Manuel António Pina, publicada pela Assírio&Alvim”, e a outra “a Joana Estrela pelas ilustrações da obra ‘A Rainha da Noite’ (texto da própria) e publicada pela Planeta Tangerina”. “Não é nada difícil”, de Madalena Matoso, considerou o júri do prémio, “exibe uma coerência organizada numa arquitetura labiríntica quase abstrata sem, no entanto, ousar criar o caos”.

Em relação às ilustrações de Abigail Ascenso em “A Noite”, o júri considerou que estas “se aventuram num universo límbico entre o onírico e o real, a memória e o devir, gerindo graficamente a representação do medo, da incerteza da saudade e da sugestão”, destacando ainda “a subtileza dos afetos numa paleta de azuis, cinzas e preto, onde a subversão cénica das escalas cria contextos de representação, manipulando a incerteza e a dúvida”.

Já “A Rainha da Noite”, de Joana Estrela, “ilustra um relato lendário que teima em não terminar de modo previsível; do mesmo modo, as suas imagens, como saídas de um pensamento infantil, atravessam o tempo até chegar a nós revisitadas e leves”.

Na ata do prémio, o júri decidiu incluir “o carácter singular do trabalho de dois jovens ilustradores: Jaime Ferraz, em ‘Máquina’ (Pato Lógico) e Ivone Gonçalves, em ‘Maria Trigueira’ (Kalandraka)”.

O júri da 22.ª edição do Prémio Nacional de Ilustração foi constituído por Maria Adriana Baptista, investigadora e docente da Escola Superior de Media e Artes e Design do Instituto Politécnico do Porto, Jorge Silva, designer e investigador na área da ilustração, autor do blogue Almanaque Silva, e Ana Castro, técnica superior da DGLAB. Nesta edição, foram avaliadas 77 obras publicadas por 29 editoras, uma edição de autor e 11 obras publicadas por outras entidades, da autoria de 66 ilustradores.

O valor monetário do Prémio Nacional de Ilustração foi este ano duplicado, de cinco para dez mil euros, e deixou de distinguir apenas livros ilustrados para crianças e jovens. O valor do prémio é “acrescido de uma comparticipação de 1.500 euros destinada a apoiar uma deslocação à Feira Internacional do Livro Infantil e Juvenil de Bolonha”. As menções especiais, no valor de 1.500 euros cada uma, destinam-se a comparticipar deslocações à Feira de Bolonha.

O Ministério da Cultura decidiu rever o regulamento do Prémio Nacional de Ilustração criado há mais de 20 anos, para responder ao “grande salto qualitativo na edição de livros ilustrados” em Portugal, como se lê no despacho publicado em dezembro em Diário da República.

No ano passado, o prémio foi atribuído a Fátima Afonso pelo conjunto de ilustrações do livro “Sonho com asas”, com texto de Teresa Marques, editado em 2016 pela Kalandraka.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro
423

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)