816kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

O pormenor que quase ninguém viu: como a Inglaterra tentou empatar com os croatas a festejar o 2-1

Este artigo tem mais de 5 anos

Depois do segundo golo da Croácia, os jogadores ingleses tentaram recomeçar rapidamente para tentar o empate. Já estavam quase ao pé de Subasic mas o árbitro não deixou. E fez bem.

Uma imagem de como os jogadores ingleses tentaram chegar ao 2-2 quando os croatas ainda celebravam o 2-1
i

Uma imagem de como os jogadores ingleses tentaram chegar ao 2-2 quando os croatas ainda celebravam o 2-1

Uma imagem de como os jogadores ingleses tentaram chegar ao 2-2 quando os croatas ainda celebravam o 2-1

Aos 109 minutos do jogo entre Croácia e Inglaterra, da meia-final do Mundial, Perisic tocou para Mandzukic e o avançado que joga na Juventus atirou de pé esquerdo para o fundo da baliza de Pickford. Estava feito o 2-1 para os croatas e houve muitos festejos, com toda a gente a correr para abraçar o homem que acabou por colocar a Croácia na primeira final da sua história.

Nesse momento, onde houve também aquele “atropelamento sem fuga” a um fotógrafo da France-Presse, aconteceu algo que as câmaras de televisão não mostraram: os jogadores ingleses tentaram recomeçar o jogo rapidamente para conseguir o empate mas o árbitro não deixou. 

https://www.youtube.com/watch?v=H8ESO5ttraU

No jogo de Portugal contra Espanha também ficou famoso o vídeo onde João Moutinho pede a José Fonte que permaneça dentro do campo durante os festejos do terceiro golo da seleção, numa aparente tentativa de impedir os espanhóis de seguirem o jogo pelo facto de todos os jogadores portugueses estarem fora do campo. Talvez os ingleses tenham mesmo tentado explorar isso… mas nem sequer podiam.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na altura falou-se da ação de João Moutinho mas a verdade é que nem valia a pena o médio do Mónaco ter feito esse pedido a José Fonte. Poucos dias depois do jogo, o ex-árbitro Duarte Gomes explicou no Facebook que não há nada que permita a uma equipa recomeçar o jogo quando os jogadores adversários estão fora do campo. “O que a Lei 8 diz é muito claro: ‘Em cada pontapé de saída, todos os jogadores, exceto o jogador que executa o pontapé de saída, devem encontrar-se no seu próprio meio-campo (…)’. Seria um crime lesa-futebol se um árbitro permitisse o recomeço após um golo, sem que estivesse qualquer jogador no meio campo adversário”, escreveu Duarte Gomes.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos