Mundial 2018

O pormenor que quase ninguém viu: como a Inglaterra tentou empatar com os croatas a festejar o 2-1

115

Depois do segundo golo da Croácia, os jogadores ingleses tentaram recomeçar rapidamente para tentar o empate. Já estavam quase ao pé de Subasic mas o árbitro não deixou. E fez bem.

Uma imagem de como os jogadores ingleses tentaram chegar ao 2-2 quando os croatas ainda celebravam o 2-1

Aos 109 minutos do jogo entre Croácia e Inglaterra, da meia-final do Mundial, Perisic tocou para Mandzukic e o avançado que joga na Juventus atirou de pé esquerdo para o fundo da baliza de Pickford. Estava feito o 2-1 para os croatas e houve muitos festejos, com toda a gente a correr para abraçar o homem que acabou por colocar a Croácia na primeira final da sua história.

Nesse momento, onde houve também aquele “atropelamento sem fuga” a um fotógrafo da France-Presse, aconteceu algo que as câmaras de televisão não mostraram: os jogadores ingleses tentaram recomeçar o jogo rapidamente para conseguir o empate mas o árbitro não deixou. 

No jogo de Portugal contra Espanha também ficou famoso o vídeo onde João Moutinho pede a José Fonte que permaneça dentro do campo durante os festejos do terceiro golo da seleção, numa aparente tentativa de impedir os espanhóis de seguirem o jogo pelo facto de todos os jogadores portugueses estarem fora do campo. Talvez os ingleses tenham mesmo tentado explorar isso… mas nem sequer podiam.

Na altura falou-se da ação de João Moutinho mas a verdade é que nem valia a pena o médio do Mónaco ter feito esse pedido a José Fonte. Poucos dias depois do jogo, o ex-árbitro Duarte Gomes explicou no Facebook que não há nada que permita a uma equipa recomeçar o jogo quando os jogadores adversários estão fora do campo. “O que a Lei 8 diz é muito claro: ‘Em cada pontapé de saída, todos os jogadores, exceto o jogador que executa o pontapé de saída, devem encontrar-se no seu próprio meio-campo (…)’. Seria um crime lesa-futebol se um árbitro permitisse o recomeço após um golo, sem que estivesse qualquer jogador no meio campo adversário”, escreveu Duarte Gomes.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)