Turquia

Presidente turco pede congelamento de bens de políticos norte-americanos

O Presidente turco pediu o congelamento no seu país dos bens dos responsáveis pelas pastas da Justiça e do Interior norte-americanos, em resposta a sanções similares adotadas por Washington.

TURKISH PRESIDENTAL PRESS OFFICE HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Presidente turco pediu este sábado o congelamento no seu país dos bens dos responsáveis pelas pastas da Justiça e do Interior norte-americanos, em resposta a sanções similares adotadas por Washington associadas à detenção de um pastor norte-americano na Turquia.

“Até ontem à noite mantivemo-nos pacientes. Hoje dou instruções: vamos congelar os bens na Turquia” dos responsáveis pelas pastas da Justiça e do Interior norte-americanos, “se os tiverem”, declarou Erdogan num discurso em Ancara, transmitido pela televisão.

Pouco antes do anúncio destas sanções contra os dois políticos norte-americanos, Recep Tayyip Erdogan afirmou que não quer um cenário “perdedor-perdedor” com Washington.

“Nós não queremos ser parte de um jogo perdedor-perdedor. Transferir uma disputa política e judiciária para o terreno económico danifica os dois países”, declarou Erdogan.

As tensões entre os dois países, aliados no seio da NATO, atingiram um novo pico esta semana devido à detenção na Turquia de um pastor norte-americano acusado de atividades “terroristas” e de espionagem.

Washington impôs quarta-feira sanções contra os ministros do Interior e da Justiça turcos pelo presumível papel neste caso.

Assegurando que a Turquia não cederia a estas ameaças, Ancara prometeu imediatamente responder, mas não tinha anunciado nada até hoje, pedindo sobretudo diálogo.

Também foi a primeira vez que Erdogan se exprimiu sobre as sanções, que, segundo o próprio, não são “convenientes para uma cooperação estratégica”.

As sanções norte-americanas “são uma grande falta de respeito em relação à Turquia”, adiantou o Presidente turco, que falava perante membros do seu partido em Ancara.

“A Turquia é um Estado de direito”, insistiu, afirmando sempre que não pode intervir no processo do pastor norte-americano.

“Aqueles que pensam que podem fazer recuar a Turquia com uma linguagem ameaçadora e sanções absurdas não conhecem o país”, adiantou.

Washington fez da libertação do pastor Andrew Brunson uma prioridade e subiu o tom na semana passada depois da colocação do pastor em residência domiciliária após ter cumprido um ano e meio de detenção.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
União Europeia

Mercados abertos num mundo em convulsão

Cecilia Malmström

Se alguma coisa aprendemos com a última década é que o comércio livre já não é um dado adquirido, pelo que temos de desenvolver mais esforços para manter os mercados abertos para as nossas empresas.

Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)