Austrália

Encontrados dentes de tubarão pré-histórico duas vezes maior que tubarão branco

São um dos três conjuntos de dentes do tubarão branco gigante existentes no mundo, explicou o paleontólogo que liderou as escavações. A espécie habitou os mares da Austrália há 25 milhões de anos.

AFP/Getty Images

Um conjunto raro de dentes fossilizados de tubarão branco gigante (carcharocles angustidens), uma espécie extinta que podia atingir o dobro do tamanho dos tubarões brancos que existem atualmente, foi encontrado numa praia a 150 quilómetros de Melbourne, na Austrália.

Philip Mullaly, um entusiasta por fósseis, percorria a Estrada do Grande Oceano na região de Jan Juc — uma área conhecida por ter vastos vestígios pré-históricos — quando reparou num “brilho reluzente nas rochas” e viu “um quarto de um dente exposto”. “Fiquei logo entusiasmado, era perfeito e eu sabia que era uma descoberta importante que precisava de ser partilhada com as pessoas”, contou à agência AFP.

Mullaly revelou a descoberta a Erich Fitzgerald, curador do Museu de Victoria. O paleontólogo confirmou que o dente descoberto — que tem cerca de sete centímetros — pertence a uma espécie extinta. O tubarão branco gigante (carcharocles angustidens) habitou o espaço marítimo junto à Austrália há cerca de 25 milhões de anos. A espécie predadora alimentava-se de pequenas baleias e pinguins e podia chegar aos nove metros de cumprimento, quase o dobro do tamanho do seu descendente, o tubarão branco (que de acordo com a National Geographic pode ter entre quatro a seis metros).

“Estes dentes têm relevância a nível internacional, uma vez que são um dos três conjuntos de dentes de carcharocles angustidens existentes no mundo, e são os primeiros a ser descobertos na Austrália”, constatou Fitzgerald. O paleontólogo explicou que a maioria dos fósseis de dentes de tubarão conhecidos foram encontrados individualmente. Isto deve-se ao facto de estes animais terem a capacidade de fazerem crescer a dentição várias vezes ao longo da vida, perdendo gradualmente os dentes mais antigos.

No entanto, Fitzgerald acreditava que seria provável encontrar mais dentes semelhantes no local. Assim, coordenou uma equipa de paleontólogos que escavaram a área da primeira descoberta. No total foram encontrados 40 dentes pertencentes a vários espécimes, a maioria da mesma espécie que o primeiro, mas também de espécies mais pequenas. Os cientistas acreditam que os dentes terão caído quando o grupo de tubarões devorava a carcaça de um animal naquele local.

Os fósseis vão estar em exposição a partir desta sexta-feira no Museu de Melbourne.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

União Europeia

A Europa Social em questão

António Covas

A UE terá de conceber e implementar, por via de uma “cooperação reforçada”, um programa de ação em matéria de espaço social europeu, à semelhança do que se fez com o mercado único ou a moeda única.

Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)