Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Brasil bateu em 2017 o seu próprio recorde de mortes violentas intencionais. De acordo com os dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública foram registados 63.880 vítimas, o equivalente a 175 por dia ou 7 por hora, o que representa um aumento de 3% em relação a 2016.

O número de pessoas mortas pela polícia também aumentou 20% em relação com o ano transato, uma média de 14 pessoas mortas por dia. O Estado do Rio de Janeiro lidera em termos de casos letais de intervenção policial, contabilizando 1.127 casos, em 2017.

“O crescimento da violência no país tem duas direções. Uma são as novas dinâmicas do crime organizado, agora, a outra, é a insistência da política pública de várias esferas e poderes, de continuar fazendo mais do mesmo””, afirmou o diretor do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima, em declarações ao G1.

Violações aumentam 8,4%

O número de violações no Brasil também não pára de aumentar. O ano passado viu um aumento de 8,4% dos crimes de violência sexual, 60.018 casos, o que corresponde a 164 crimes por dia, um a cada 10 minutos.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta foi a primeira vez que o Fórum Brasileiro de Segurança Pública contabilizou os registos de lesão corporal fruto de violência doméstica. Ao todo, foram registados 221.238 casos de violência doméstica, 606 por dia. Houve um aumento de 6,1% dos homicídios a mulheres em 2017, 4.539 no total.

“Os brasileiros ainda não acordaram para o problema”, disse Rob Muggah, co-fundador e diretor de pesquisa do Fórum, citado pelo The Guardian.

Vários especialistas do fórum de Segurança Pública acreditam que os registos de femicídios estejam subdimensionados, devido à dificuldade que existe em registar estes crimes por parte da polícia. O número, que podia ser maior, deriva do pouco tempo da lei que criminaliza o femicídio, que foi implementada em 2015, e dificuldades de a polícia em reconhecer as situações de vulnerabilidade da mulher.