Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Um mecânico de 29 anos terá alegadamente roubado um avião sem passageiros do Aeroporto Internacional de Seattle, que se despenhou pouco depois junto a Ketron Island, a 48 quilómetros.

Há relatos e vídeos que mostram que o avião, um Bombardier Q400 da Horizon Air (do grupo Alaska Airlines) 76 lugares, foi perseguido por um ou dois caças F-15 antes de se despenhar, ao fim de 90 minutos de voo, às 21h30 em Seattle, (5h30 deste sábado em Lisboa). Os caça F-15 não terão estado envolvidos na queda do avião.

A comunicação entre o homem a bordo do avião e o controlador aéreo foram divulgados.

Este segundo vídeo também mostra o que parece ser um caça a perseguir o avião.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Este outro vídeo divulgado pela Fox News foi inicialmente partilhado por uma utilizadora do Facebook que garante que este era o avião que se despenhou.

As autoridades policiais de Pierce County informaram via Twitter que o mecânico “estava a fazer acrobacias no ar ou não tinha conhecimentos suficientes para pilotar o avião”. O xerife local afirmou que “não se trata de um incidente terrorista”. O FBI confirmou e disse que a investigação ainda estava a decorrer.

O diálogo com o controlador de tráfego aéreo: “Isto é provavelmente prisão perpétua, huh?”

O Seattle Times divulgou excertos do diálogo mantido entre o mecânico e o controlador de tráfego aéreo antes do incidente. O mecânico, que parecia estar entre o excitado e o leviano, mostrou-se preocupado por ter pouco combustível no avião, uma vez que tinha consumido mais do que esperava com a descolagem. O controlador de tráfego aéreo manteve a calma, tentou não irritar o piloto e convencê-lo a aterrar algures. “Há uma pista à direita daí a uma milha” (referindo-se à base militar Lewis-McChord).

“Oh man,”, respondeu de pronto o mecânico. “Aqueles tipos tramam-me se eu tentar aterrar ali. E ainda posso dar cabo de alguma coisa lá. Não ia querer fazer isso. E eles provavelmente têm armas anti-aéreas.

O controlador terá negado: “Eles não têm nada disso. Vamos tentar encontrar um local para aterrar em segurança”.

“Ainda não estou pronto para aterrar. Mas tenho de parar de olhar para o combustível, que está a acabar-se depressa”, admitiu o mecânico, já preocupado com as consequências. “Isto é provavelmente prisão perpétua, huh? Espero que seja, para um tipo como eu”.

O controlador de tráfego aéreo tentou desviar o assunto: “Não nos vamos preocupar ou pensar nisso agora. Mas pode iniciar uma viragem à esquerda, por favor?”

O movimento do aeroporto chegou a ser temporariamente suspenso, impedindo aterragens e descolagens, mas já foi retomado.