Milhares de manifestantes na Nicarágua realizam este sábado, em várias cidades do país, uma marcha para exigir a libertação de “presos políticos” pelas forças do Governo de Daniel Ortega, que já anunciou uma “contra-marcha”.

De acordo com a agência Efe, prevê-se que a maior marcha tenha lugar na capital, Manágua, palco nos últimos quatro meses de manifestações em massa contra o Governo.

Os manifestantes acreditam que pelo menos 135 “presos políticos” foram “sequestrados” pelas “forças combinadas” do Governo, compostas por polícias, forças anti-motim e grupos paramilitares que as capturam sem “qualquer prova ou ordem judical”.

Em contrapartida, a vice-presidente e primeira-dama Rosario Murillo já anunciou também uma marcha em Manágua e em todo o país, durante o fim de semana.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Durante o fim de semana vamos manifestar-nos, exigindo a justiça e o “não” à impunidade, porque todos sabemos quem são os terroristas, os golpistas, os criminosos”.

O país da América Central é palco, desde 18 de abril passado, de manifestações e confrontos violentos que, de acordo com grupos de defesa dos direitos humanos, já causaram quase 400 mortos e mais de dois mil feridos.

Os manifestantes acusam Ortega e Murillo de abuso de poder e de corrupção. Daniel Ortega, de 72 anos, está no poder desde 2007, após um primeiro mandato de 1979 a 1990.