Rádio Observador

República Centro Africana

República Centro-Africana. ONU condena incitação ao ódio religioso e étnico

Conselho de Segurança da ONU apelou aos grupos armados que cessassem todas as formas de violência, entregassem as armas imediata e incondicionalmente e se envolvessem na construção da paz.

O Conselho de Segurança também exprimiu a sua preocupação com o facto de o Exército de Salvação do Senhor (LRA, na sigla em inglês) continuar a representar "um risco para os civis"

PETER FOLEY/EPA

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) condenou na sexta-feira “o aumento da incitação ao ódio religioso e étnico e à violência” na República Centro-Africana e os ataques de grupos extremistas na região.

Uma declaração presidencial, aprovada pelos 15 membros do Conselho, apelou aos grupos armados daquele país “para cessarem todas as formas de violência e atividades desestabilizadoras, entregarem as armas imediata e incondicionalmente e envolverem-se construtivamente no processo de paz”.

No texto também é condenada “a hostilidade manipulada” contra a força de manutenção de paz da ONU e outros atores internacionais no país, que tem vivido combates mortíferos, com tons religiosos e comunitários, desde 2013, quando rebeldes, designados Seleka, se apoderaram do poder e provocaram uma reação de milícias, denominadas anti-Balaka.

A declaração presidencial, que cobre a África Central, expressou a preocupação com a situação de segurança e humanitária na bacia do Lago Chade.

O Conselho considerou também que os ataques terroristas realizados pelo Boko Haram e Estado Islâmico “causaram uma larga e devastadora perda de vida, tiveram um impacto humanitário devastador, incluindo a deslocação de um grande número de civis na Nigéria, nos Camarões e no Chade, e representam uma ameaça para a estabilidade e a paz na África Central e Ocidental”.

Notou ainda “com particular preocupação o uso continuado pelo grupo radical Boko Haram de mulheres e raparigas como bombistas suicidas”, o que considerou que “criou uma atmosfera de suspeição para mulheres e raparigas, tornando-as alvo de assédio e estigmatização nas comunidades afetadas e de detenções arbitrárias pelas forças de segurança”.

O Conselho apelou ainda aos países atacados que combatam todas as formas de terrorismo, bem como as condições que permitem o seu desenvolvimento. O Conselho de Segurança também exprimiu a sua preocupação com o facto de o Exército de Salvação do Senhor (LRA, na sigla em inglês) continuar a representar “um risco para os civis”, em especial na República Centro-Africana e no Congo.

Apontou também “a relação entre o tráfico ilegal de produtos da vida selvagem e recursos naturais e o financiamento de grupos armados”, incluindo o LRA e o Boko Haram.

A República Centro-Africana caiu no caos e na violência em 2013, depois do derrube do ex-Presidente François Bozizé por vários grupos juntos na designada Séléka (que significa coligação na língua franca local), que suscitou a oposição de outras milícias, agrupadas sob a designação anti-balaka. A MINUSCA está no país desde 2014.

O Governo do Presidente Faustin Touadera, um antigo primeiro-ministro que venceu as presidenciais de 2016, controla cerca de um quinto do território. O resto é dividido por mais de 15 milícias, que, na sua maioria, procuram obter dinheiro através de raptos, extorsão, bloqueio de vias de comunicação, recursos minerais (diamantes e ouro, entre outros), roubo de gado e abate de elefantes para venda de marfim.

O conflito na RCA, que tem o tamanho da França e uma população que é menos de metade da portuguesa (4,6 milhões), já provocou 700 mil deslocados e 570 mil refugiados e colocou 2,5 milhões de pessoas a necessitarem de ajuda humanitária.

Portugal está presente no país desde o início de 2017, no quadro da Missão Multidimensional Integrada das Nações Unidas para a Estabilização da República Centro-Africana (MINUSCA). No início de julho, soube-se que o major-general do Exército Marco Serronha vai assumir o cargo de 2.º comandante da MINUSCA.

A que já é a 3.ª Força Nacional Destacada Conjunta, composta por 159 militares, dos quais 156 do Exército, sendo 126 paraquedistas, e três da Força Aérea, iniciou a missão em 05 de março de 2018 e tem a data prevista de finalização no início de setembro deste ano.

Estes militares compõem a Força de Reação Rápida da MINUSCA, têm a base principal na capital, junto ao aeroporto, e já estiveram envolvidos em quase duas dezenas de confrontos com os rebeldes.

Portugal também integra a Missão Europeia de Treino Militar-República Centro-Africana (EUMT-RCA), que é comandada pelo brigadeiro-general Hermínio Teodoro Maio.

A EUTM-RCA, que está empenhada na reconstrução das forças armadas do país, tem 45 militares portugueses, entre os 170 de 11 nacionalidades que a compõem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)