Os 47 mil migrantes que entraram por mar em Espanha desde o início de 2017 até à presente semana já representam praticamente metade das entradas em território espanhol por via marítima em quase duas décadas, foi esta terça-feira divulgado.

Os números foram esta terça-feira apresentados pela Organização Internacional para as Migrações (OIM) e vêm confirmar que Espanha se tornou ao longo dos últimos meses a principal porta de entrada de migrantes na União Europeia (UE) através do mar Mediterrâneo, substituindo Itália, que atualmente adota uma postura política anti-imigração e decidiu fechar os respetivos portos.

O número total de entradas por mar de refugiados e de migrantes no território espanhol até 1999 era de 95 mil, segundo a OIM.

O balanço agora feito pela organização, que será liderada a partir de outubro pelo português António Vitorino, revela que em quase 20 anos nunca se testemunhou um nível tão elevado de imigração irregular por via marítima em Espanha como aquele que se observa no ano corrente, que já regista até à presente semana 25.101 entradas.

O pico anterior de entradas mais importante ocorreu no ano passado, quando foram registados 22.414 casos entre janeiro e dezembro.

Antes disto, o número de maior relevo tinha sido registado em 2001. Nesse ano, e segundo os dados do Ministério do Interior espanhol, foi registada a chegada por via marítima de 14.412 migrantes. Atualmente, Espanha supera todos os outros destinos de imigração irregular para a Europa através do Mediterrâneo, nomeadamente Itália que registou 19.231 chegadas desde janeiro passado.

Por sua vez, a Grécia registou 16.834 entradas via Mediterrâneo no mesmo período. Ainda sobre Espanha, a OIM referiu que 44.000 refugiados e migrantes adicionais entraram no território espanhol por via terrestre desde janeiro passado.

Na apresentação destes dados à comunicação social, o porta-voz da OIM, Joel Millman, afirmou esta terça-feira que preferia não especular neste momento sobre as razões que terão provocado este aumento significativo do fluxo migratório em direção a Espanha.

E avançou que a OIM irá realizar um estudo abrangente sobre este fenómeno, tal como fez com a Itália e com a Grécia, para conhecer em profundidade a situação.

O porta-voz da OIM disse, no entanto, ser possível já verificar que as nacionalidades dos migrantes que chegam por mar ao território espanhol correspondem exatamente àquelas que diminuíram nos portos de partida na Líbia em direção à Itália.

Verificamos a descida nas chegadas de pessoas da Guiné, Gâmbia, Mali, Senegal, Costa do Marfim”, referiu o representante.

Sobre as condições que encontram os migrantes quando chegam a Espanha, Joel Millman afirmou que, neste momento, a OIM não tem informações sobre o tratamento que recebem estas pessoas nas primeiras 24 a 48 horas, referindo, no entanto, que a organização pretende avaliar tal situação.