22 de Janeiro de 1956. Belenenses e FC Porto defrontavam-se no Estádio Nacional na 15.ª jornada do Campeonato Nacional, com os dragões a vencerem por 1-0, golo de Hernâni. Na altura, o Estádio do Restelo ainda não existia (seria inaugurado mais tarde nesse ano) e o Belenenses jogava os seus encontros no histórico campo das Salésias, mas acabaria por disputar o clássico azul no Jamor, por motivos de logística.

Mais de 60 anos depois, a logística é outra e bem mais complicada: o Belenenses dividiu-se em dois, entrou numa guerra complexa e a SAD, que detém a equipa de futebol inscrita na Primeira Liga, acabou despejada do Restelo pelo clube Belenenses. Resultado: na temporada 2018/19, os comandados de Silas terão o Jamor como casa emprestada.

E a estreia do Belenenses no Campeonato não podia ter sido mais digna de final de Taça, cheia de emoções, casos e intervenientes decisivos. Foi com dentes de Leite, pezinhos de lã e a ajuda de uma mão na bola que o FC Porto levou a melhor sobre os de Belém e repetiu a história de há 62 anos, com a emoção redobrada. Diogo Leite, o mais jovem em campo, marcou na primeira parte, Otávio, na primeira interceção bem sucedida no encontro, ampliou no segundo tempo, mas Fredy e Keita igualaram o marcador, obrigando Alex Telles a ter frieza para marcar a grande penalidade decisiva no sétimo minuto de compensação, a segunda assinalada por Carlos Xistra durante o encontro.

Belenenses sai do Restelo e passa a jogar no Jamor

O Belenenses entrou a querer mostrar quem mandava na sua casa emprestada e surpreendeu os campeões nacionais nos minutos iniciais com arrancadas rápidas e um pendor ofensivo superior ao que se poderia esperar. Enquanto nas bancadas eram os adeptos do FC Porto quem mais se fazia ouvir, no relvado eram os comandados de Silas a deixar o primeiro aviso, com Keita a atirar forte, mas por cima do alvo.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Belenenses procurava sair a jogar desde trás, conservando a posse de bola e chegando à área adversária em ataque organizado, mas muitas vezes corrias riscos desnecessários: Muriel entregou a bola ao meio campo do FC Porto e por pouco Aboubakar não ficou na cara do golo, antes de Brahimi quase fugir depois de nova recuperação de bola portista em zonas avançadas do terreno.

Ficha de jogo

Mostrar Esconder

Belenenses-FC Porto, 2-3

2.ª jornada da Primeira Liga

Estádio do Nacional, no Jamor

Árbitro: Carlos Xistra (AF Castelo Branco)

Belenenses: Muriel; Sasso, Zacarya Bergdich, Gonçalo Silva, Diogo Viana (Sagna, 70′); Matija Ljulic (Dálcio, 39′), Nuno Coelho, Jonatan Lucca; Fredy, Licá (Henrique, 66′) e Keita

Suplentes não utilizados: Mika, Nuno Tomás, Reinildo e Kikas

Treinador: Silas

FC Porto: Casillas; Felipe, Diogo Leite, Maxi, Alex Telles; Herrera, Otávio (Óliver, 73′), Sérgio Oliveira; Brahimi (Hernâni, 81′), Aboubakar e André Pereira (Corona, 64′)

Suplentes não utilizados: Vaná, Chidozie, Adrián e Marius

Treinador: Sérgio Conceição

Golos: Diogo Leite (26′), Otávio (46′), Fredy (55′), Keita (83′) e Alex Telles (90+7′)

Ação disciplinar: cartão amarelo a Diogo Leite (54′), Aboubakar (71′), Felipe (89′) e Lucca (90′)

O equilíbrio era a nota dominante de um encontro que encontrava nas tentativas de construção de jogo em zonas recuadas a maior fonte de oportunidades de golo… mas para as equipas adversárias. Já depois da defensiva do Belenenses ficar em sentido com perdas de bola evitáveis, foi a vez de Casillas ver Felipe atrasar-lhe uma bola que por pouco não ficou nos pés de Keita, com o avançado a incomodar o guardião espanhol e a ganhar mesmo um pontapé de canto.

Não estava fácil para nenhuma das equipas conseguirem construir realmente jogadas dignas de registo, mas tudo mudou em três minutos e a favor dos campeões nacionais. Já depois de Maxi Pereira ver André Pereira desviar um cruzamento seu direitinho à barra defendida por Muriel, aos 23 minutos, (naquele que foi o primeiro remate do FC Porto na partida), foi Alex Telles quem cruzou com conta, peso e medida para a cabeça do jogador mais novo em campo, Diogo Leite, que cabeceou para o fundo das redes.

Era a estreia a marcar de Diogo Leite ao fim de 34 jogos enquanto sénior e do terceiro encontro ao serviço da equipa principal do FC Porto. Mas mais importante do que isso, era o desbloquear do marcador a favor dos dragões, num encontro que não estava nada fácil para o conjunto de Sérgio Conceição.

Daí até ao intervalo, tudo foi mais simples para os dragões, que tomaram as rédeas do encontro e quase ampliaram o marcador em cima do descanso por intermédio de Maxi Pereira, que atirou cruzado, mas ao lado.

E na segunda parte nem deu para respirar. Otávio tinha sido o último a entrar em campo por estar a receber indicações de Sérgio Conceição junto à linha lateral e, com 40 segundos jogados, feriu o Belenenses onde o conjunto de Silas mais se expunha: troca de bola no seguimento do pontapé de saída, tentativa de atraso de Dálcio para Muriel, e Otávio, com pezinhos de lã na sua primeira ação defensiva, a interceptar o passe, contornar o guarda-redes e ampliar a vantagem azul e branca.

O Estádio Nacional está feito para grandes emoções e o Belenenses quis honrar a história da sua nova casa, mas precisou de esperar pela decisão de Carlos Xistra. É que o árbitro de Castelo Branco deixou o jogo seguir depois de a bola embater na mão de Diogo Leite na área, mas acabou por ser chamado por João Capela, no VAR, e, depois de consultar as imagens, decidiu-se pela grande penalidade a favor do Belenenses.

Fredy colocou a bola na marca, deu um, dois, três passos vagarosos, fixou Casillas no centro da baliza e atirou para a direita, a fazer andar o marcador.

O jogo partiu-se, o Belenenses podia ter chegado ao empate pouco depois por intermédio de Licá, mas Brahimi também podia ter feito o terceiro dos dragões na cara de Muriel. Keita, servido por Henrique, obrigou Casillas a aplicar-se para evitar a igualdade, a pouco menos de quinze minutos do final.

E, quando já havia adeptos do FC Porto a abandonar o recinto, pensando talvez que a vitória já estava no bolso dos campeões nacionais, Keita surgiu nas alturas para fazer a festa da Ta.. perdão, da Primeira Liga: lançamento longo nas costas da defesa azul e branca, bom trabalho de Fredy a servir o avançado ao segundo poste para o golo da igualdade, com menos de dez minutos por jogar.

Os dragões queriam repetir a vitória de há 62 anos, mas tinham os olhos no presente e sabiam que os três pontos eram vitais para não deixar fugir Benfica e Sporting já no início do Campeonato. Lembram-se da história do Jamor estar talhado para grandes emoções? Pois é, ainda havia tempo para mais e novamente com Carlos Xistra no centro da decisão, ao consultar novamente o VAR depois de bola no braço, desta feita na área contrária.

O lance foi entre Herrera e Henrique, mas quem saiu a ganhar foi o FC Porto, já que o juíz de Castelo Branco decidiu-se pela grande penalidade e Alex Telles, com frieza, não desperdiçou.

Mais de 60 anos depois, a história repetiu-se mas a emoção redobrou. Quando tudo parecia encaminhar-se para uma vitória tranquila do FC Porto, os azuis do Restelo que jogam no Jamor puxaram dos pergaminhos e obrigaram os campeões nacionais a suarem para levarem a melhor num palco que está habituado a grande emoções e que hoje acolheu um encontro que, não fosse valer três preciosos pontos para o futuro dos dragões na Primeira Liga, poderia perfeitamente ser de final da Taça.