Luís Marques Mendes

Pensões sobem, imposto da luz cai. Marques Mendes anuncia novidades do Orçamento. E comenta “Aliança” de Santana. E Le Pen na Web Summit

O comentador da SIC anunciou uma descida no IRS e no imposto sobre a eletricidade e uma subida nas pensões. Comentou ainda o novo partido de Santana (bom nome, más ideias). E criticou Paddy Cosgrave.

MÁRIO CRUZ/LUSA

Os portugueses vão pagar menos IRS depois da aprovação do próximo Orçamento de Estado. E o IVA da electricidade vai baixar, mas ainda não se sabe se será de 23% para 13% ou para 6%. Marques Mendes deu esta noite no seu comentário algumas novidades sobre o próximo Orçamento de Estado.

Se “as pensões até 857 euros (2 indexantes sociais) terão, por força da lei, um aumento real de 0,5%, beneficiando cerca de 2/3 dos reformados”, as outras pensões, de valor superior, também vão subir, mas o valor depende das negociações com os parceiros.

Aumentarão também as verbas para os serviços públicos, designadamente a Saúde, a Cultura e a Ciência. E está em estudo a eventual atualização de salários na função pública e a decisão de novas contratações, dependendo das negociações entre o governo e os parceiros.

O comentador da SIC aproveitou também a divulgação pelo INE dos dados do crescimento do PIB (2,3%) no segundo trimestre de 2018. Apesar de estarmos há 19 trimestres consecutivos a crescer, e uma décima acima da média europeia, Marques Mendes frisou que só há 6 países que crescem menos do que Portugal.

Partido de Santana: bom nome, mas sem novidade

Marques Mendes analisou ainda as novidades sobre o partido de Santana Lopes. Elogiou o nome, Aliança, que considerou sugestivo e politicamente apelativo, mas criticou o conteúdo para já conhecido: “Quanto aos princípios e ideias orientadoras, é tudo mais do mesmo. Não tem novidade!”

Notou no entanto com curiosidade o “nervoso miudinho” de PSD e CDS: “Não o dizem mas estão preocupados com a divisão no espaço do centro-direita”. Já o PS “está feliz e satisfeito”: “Esfrega as mãos de contente! Eu diria mesmo que nunca o PS esteve tão em sintonia com Santana Lopes como agora. No fundo, o PS acalenta a esperança que o novo partido sirva para desgastar a fragilizar ainda mais o PSD”.

Marine Le Pen: Paddy Cosgrave mal

Quanto a outra polémica do início da semana, Marques Mendes achou que o Governo fez bem em não se meter no convite da Web Summit a Marine Le Pen, mas criticou Paddy Cosgrave: “Acho que o líder da Web Summit andou mal sempre – no princípio, no meio e no fim.” Ou seja, entende que não a devia ter convidado, não devia ter posto a decisão do desconvite nas mãos do governo e não a devia ter desconvidado. “Primeiro, porque fica a sensação de que quis agradar ao patrocinador do evento. Depois, porque fica a certeza de que cedeu perante as pressões públicas que lhe foram feitas. Finalmente, porque nunca mais é completamente livre para convidar quem quer que seja. A partir de agora, fica a ideia que fará uma lista prévia de convites, submetê-la-á ao patrocinador e só depois formalizará os convites.”

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Salazar /premium

Helena Matos

Os actuais líderes não têm discurso, têm sim objectivos: manter-se ou chegar ao poder, através da popularidade e não da política. Logo precisam do passado e de Salazar para falarem de política.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)