O fabricante croata Rimac Automobili é, de momento, quem faz o superdesportivo mais exuberante, potente e rápido, independentemente do tipo de “combustível”. E até entre os eléctricos alimentados a bateria, a empresa criada por Mate Rimac em 2009 não tem rivais, uma vez que o seu C_Two ridiculariza a concorrência, em termos de potência, aceleração, velocidade máxima, rapidez de recarga e autonomia. Enfim, tudo o que verdadeiramente importa.

A Rimac visita pela primeira os EUA, com o objectivo de estar presente na Monterey Car Week, onde vai expor o C_Two no Exotics, na Canery Row, onde os supercarros se concentram. Este desportivo croata é um verdadeiro monstro e os números falam por si. Tem “só” 1.888 cv e a bagatela de 2.300 Nm de binário, força mais que suficiente para subir paredes. Com motores eléctricos à frente e atrás, o que permite tracção 4×4 e vectorização do binário, o superdesportivo não só atinge 415 km/h de velocidade máxima, como passa pelos 100 km/h ao fim apenas 1,85 segundos, isto apesar de reivindicar um peso de 1.950 kg – um bom valor para este nível de potência, mesmo considerando concorrentes a gasolina. Como se isto não bastasse, ainda consegue anunciar uma autonomia de 650 km (supomos que em NEDC), cortesia da generosa bateria com 120 kWh, que é também a maior montada num automóvel.

E se pensa que a Rimac conseguiu construir este supercarro apenas por uma questão de sorte, lamentamos informar mas está enganado. Além de se dedicar aos desportivos e de ter uma outra empresa especializada em bicicletas e scooters eléctricas, a Rimac emprega hoje cerca de 400 técnicos e possui um enorme potencial tecnológico. A provar isto mesmo, foi a primeira a desenvolver um sistema eléctrico a 800V e uma solução de recarga a grande potência. Até a Aston Martin/Red Bull recorreram à companhia de Mate Rimac para fabricar o sistema KERS que vai animar o seu futuro Valkyrie, com a Rimac a trabalhar igualmente para clientes como a Koenigsegg, Jaguar e Seat, além de desenvolver soluções de infoentretenimento para a Renault. O potencial dos croatas é até reconhecido pela Porsche, que adquiriu 10% da empresa na ânsia de usufruir do seus conhecimentos na área, com um dos seus administradores a admitir que espera vir a poder trabalhar com a Rimac no desenvolvimento de alguns projectos.

O Rimac C_Two que vai estar exposto em Monterey é, muito apropriadamente, denominado California Edition e vai surgir pintado num azul vivo e a exibir umas novas jantes. Mas como o ambiente é de celebração, a Rimac concebeu um compartimento na bagageira onde é possível alojar duas garrafas de champanhe de seis litros e as flûtes para saborear o precioso líquido. E com 12 litros de champanhe a bordo, é bom que existam muitos motivos para comemorar.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O C_Two não só é o eléctrico mais potente e rápido – o Nio EP9 é quem está mais próximo, mas ainda assim a uma distância considerável, com a Tesla a ficar ainda mais atrás, pelo menos até apresentar o Roadster –, como é também um dos mais exclusivos, uma vez que vão ser construídas apenas 150 unidades. Se acha pouco, é bom recordar que, do Concept One, a Rimac apenas produziu oito exemplares.

O C-Two está à venda por cerca de 2 milhões de euros, o que é um valor competitivo para um desportivo com estas características, entre modelos eléctricos e a gasolina. Tem contudo concorrência do Nio EP9, cujas primeiras seis unidades foram vendidas aos principais investidores por 1,4 milhões de euros (com a comercialização das segundas 10 unidades a iniciar-se em 2019 sob encomenda), bem como do Tesla Roadster, agendado para 2020 (ou 2021, pois a marca americana tem um problema com os prazos), mas que promete valores similares de aceleração e velocidade, por apenas 200.000 a 250.000 dólares.