532kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 32.99/mês aqui.

Facebook e Twitter baniram redes de desinformação e manipulação com origem na Rússia e Irão

Este artigo tem mais de 4 anos

O Facebook removeu 652 contas, páginas e grupos que promoviam informação enviesada e que atacavam utilizadores. Já o Twitter suspendeu 284 contas. A Microsoft já tinha detetado outras redes.

i

Getty Images

Getty Images

O Facebook (dono, também, da rede social Instagram) e o Twitter baniram recentemente mais de 900 contas, páginas e grupos responsáveis por ataques de cibersegurança e por operações de manipulação e desinformação nas redes sociais, com ligações à Rússia e ao Irão. Se relativamente às contas eliminadas pelo Twitter sabe-se apenas que eram utilizadores de identidade falsa, maioritariamente originários do Irão e que visavam manipular utilizadores, relativamente às páginas e grupos eliminados pelo Facebook sabe-se um pouco mais. Sabe-se, por exemplo, que a operação resultou de uma investigação da empresa de cibersegurança FireEye, que encontrou quatro redes que operavam no Facebook e Instagram.

Ao contrário de anteriores redes de influência e manipulação de utilizadores, as operações agora desmascaradas e atacadas pelo Facebook não visavam apenas influenciar cidadãos americanos — como aconteceu com redes anteriores, com ligações à Rússia e com o objetivo declarado de influenciar votantes das eleições presidenciais norte-americanas –, mas também pessoas na América Latina, Reino Unido e Médio Oriente, segundo revelou o Facebook.

Acreditamos que estas páginas, grupos e contas integravam dois conjuntos de campanhas, uma com origem no Irão e com ligações aos media estatais [iranianos], outra envolvendo um grupo de pessoas que o governo norte-americano e outras pessoas identificaram como tendo ligações com a Rússia”, disse Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, aos jornalistas, citado pelo The New York Times.

Uma das principais redes identificadas na investigação da FireEye chamava-se Liberty Front Press. Era um grupo que dizia ser uma organização independente de media iraniana, mas tinha na verdade uma ligação estreita aos media estatais do país. Geria 72 páginas e contas de Facebook e nove contas de Instagram, e em anos recentes gastou mais de cinco mil euros em publicidade. A rede promovia informação enviesada anti-saudita, anti-israelita e anti-palestianana, difundia apoio a políticas norte-americanas favoráveis ao Irão e atacava as posições de Donald Trump, críticas do regime iraniano e do acordo alcançado por este país com os EUA, antes de se tornar presidente. Foi ainda identificada uma segunda campanha de manipulação relacionada com o Liberty Front Press, que tinha outros objetivos: hackear as contas de utilizadores desta rede social e espalhar malaware, isto é, infeções pelos computadores e outros dispositivos dos utilizadores.

A terceira das quatro campanhas de manipulação identificadas pelo Facebook envolvia uma rede que partilhava informação enviesada e manipulada sobre política no Médio Oriente, Reino Unido e Estados Unidos da América, existindo ainda uma outra operação digital gerida por redes de pessoas já ligadas aos serviços secretos militares e serviços secretos russos (pelo governo norte-americano e outras entidade), que teria o objetivo de influenciar perceções sobre a atividade política da Síria e Ucrânia.

Comentando o envolvimento dos media estatais iranianos na promoção de informações enviesadas em redes sociais, através de páginas que se afirmavam independentes, o diretor de uma empresa que investiga e estuda este tipo de campanhas (New Knowledge), Renee DiResta, afirmou ao The New York Times que “isto reforça a ideia de que há uma guerra de informação neste momento” e que “o nosso ecossistema social é vulnerável à manipulação de um conjunto de adversários variados”.

Em conversa com jornalistas, citada pelo portal norte-americano The Verge, Mark Zuckerberg, fundador do Facebook, disse: “Tratavam-se de redes de contas que enganavam as pessoas relativamente a quem eram e relativamente ao que faziam. Banimos este tipo de comportamento porque para nós a autenticidade importa. As pessoas têm de poder confiar nas pessoas e páginas com quem estabelecem ligação no Facebook”.

Recentemente, a Microsoft detetou grupos com ligações aos serviços militares e serviços secretos russos que operavam na Internet fazendo-se passar por republicanos críticos de Donald Trump. O objetivo seria identificar alvos e infetar utilizadores que partilhassem essa posição crítica do presidente dos Estados Unidos da América, através de diferentes vírus, tendo a empresa levantado a possibilidade do grupo russo em questão, Strontium, ter como objetivo influenciar futuras eleições norte-americanas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.