Televisão

Para lá de Cristina Ferreira: as cinco mudanças de canal que mais deram que falar

103

Cristina Ferreira vai deixar a TVI e mudar-se para a SIC. A mudança é a mais mediática dos últimos anos mas não é a primeira. Recorde as outras cinco mudanças de canal que deram que falar.

A ida de Cristina Ferreira da TVI para a SIC é a mudança mais badalada dos últimos anos na televisão portuguesa. A apresentadora, que estava ao lado de Manuel Luís Goucha nas manhãs da TVI desde 2004, tornou-se numa autêntica marca e construiu um império empresarial que inclui uma loja, um blogue e uma revista em nome próprio. Depois de muitos rumores ao longo dos anos, Cristina Ferreira vai mesmo deixar a estação de Queluz de Baixo, 15 anos depois de se ter estreado nos diários do reality show Big Brother.

Mas Cristina Ferreira está longe de ser um caso único. Herman José, Manuel Luís Goucha, Fátima Lopes, Júlia Pinheiro e João Baião protagonizaram mudanças de canais de televisão que fizeram capas de revistas e provocaram muita conversa.

[Veja no vídeo como Cristina Ferreira olha para o futuro]

Herman José

Em 2000, depois de ter estado à frente de programas de enorme sucesso — como “Hermanias”, “Parabéns” e “Herman Enciclopédia” –, Herman José decidiu deixar a RTP e juntar-se à equipa da SIC. Estreou-se com o programa “Herman SIC”, um talk-show que era transmitido aos domingos à noite e que contava com a colaboração dos atores Maria Rueff, Joaquim Monchique, Ana Bola, Maria Vieira e Vítor de Sousa. O primeiro episódio teve uma audiência de 76%.

Apresentou o reality show “Masterplan” em 2002 e voltou a ser a cara principal de um talk show em 2007, com “Hora H”. Em maio de 2008, lançou a versão portuguesa do programa “Chamar a Música” e, em setembro do mesmo ano, apresentou o concurso “Roda da Sorte”. O programa foi cancelado no final do ano e substituído por um programa de informação apresentado por Conceição Lino: desagradado com a situação, decidiu deixar a SIC e mudar-se para a TVI, estação na qual permaneceu durante pouco mais de um ano.

Em abril de 2010, mais de dez anos depois de ter saído para a SIC, Herman José regressou à RTP e ainda lá está.

Manuel Luís Goucha

Depois de apresentar vários programas de culinária e ser a cara do programa “Praça da Alegria”, que preenchia as manhãs da RTP, durante sete anos, Manuel Luís Goucha decidiu aceitar o desafio de se mudar para a TVI.

Em 2002, primeiro ano em Queluz de Baixo, foi a cara do “Olá Portugal”, um formato muito parecido ao que apresentava na RTP. Só em 2004 é que lhe foi lançado o desafio de apresentar “Você na TV!”, a aposta da TVI para rivalizar com a “Praça da Alegria” no horário da manhã. Ao seu lado, estaria uma rapariga ainda desconhecida que se tinha estreado há poucos meses nos diários do “Big Brother”: Cristina Ferreira.

Os dois apresentadores fizeram dupla durante 14 anos e foram líderes de audiência no horário da manhã. Resta agora saber se Manuel Luís Goucha vai ter uma nova coapresentadora no “Você na TV!” ou se vai assumir sozinho a apresentação do programa com o qual Cristina Ferreira vai competir diretamente na SIC.

Fátima Lopes

Fátima Lopes foi durante vários anos uma das principais caras da SIC: a apresentadora foi uma aposta de Emídio Rangel, então diretor de programas do canal de Carnaxide. Estreou-se na apresentação em 1994 com “Perdoa-me” e foi depois apresentadora dos programas “All You Need Is Love”, “Surprise Show”, “Fátima Lopes” – que teve mais de 600 emissões” – e “SIC 10 Horas”, que foi líder de audiências durante quatro anos.

Em julho de 2010, 16 anos depois de se estrear pela mão de Rangel, a apresentadora decidiu mudar-se para a TVI e apresentar “Agora É Que Conta”. Um ano depois, já depois da saída de Júlia Pinheiro pelo percurso inverso, assumiu as tardes de Queluz de Baixo com “A Tarde É Sua”, programa que apresenta ainda hoje.

Júlia Pinheiro

Tal como Cristina Ferreira, Júlia Pinheiro protagonizou uma das mudanças mais mediáticas dos últimos anos: só que no percurso inverso. Em 2011, a apresentadora era a cara das tardes da TVI, Subdiretora de Programação e um dos principais nomes do canal. A saída para a SIC apanhou (quase) todos de surpresa – Júlia Pinheiro assumiu em Carnaxide o cargo de Diretora Executiva de Conteúdos e apresentou o programa diário “Querida Júlia”. Atualmente, é diretora dos canais temáticos SIC Mulher e SIC Caras e apresenta o programa das manhãs ao lado de João Paulo Rodrigues.

Mas, no caso de Júlia Pinheiro, não foi apenas uma mudança. Foi um regresso. A apresentadora já tinha estado na SIC durante os anos 90 e até ao início do século XX, tendo sido a cara de “A Noite da Má Língua” ou “SIC 10 Horas”. Conseguiu um feito quase inédito: começou o ano de 2002 ainda em Carnaxide, passou pela RTP – onde apresentou “O Elo Mais Fraco” – e no início de 2003 estava já na TVI, onde ficou até 2011.

João Baião

Novamente a história de um regresso. Entre 1995 e 2000, João Baião foi uma das principais estrelas da SIC: “Big Show SIC”, o programa que apresentava, é um dos ícones dos anos 1990 e permanece na memória da grande maioria dos portugueses. Após o final do programa, o apresentador afastou-se da televisão durante alguns anos e dedicou-se ao teatro, principalmente à revista.

Em 2007, João Baião assume a apresentação do programa “Portugal no Coração” nas tardes da RTP. Protagoniza ao lado de Tânia Ribas de Oliveira uma parceria duradoura e de sucesso que salta depois para “Praça da Alegria” e “Verão Total”. Em 2014, numa decisão anunciada em direto e ao lado de Ribas de Oliveira, João Baião regressa à SIC e apresenta sozinho “Sabadabadão”. Mais tarde, junta-se a Rita Ferro Rodrigues nas tardes do canal com o programa “Juntos à Tarde”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)