Rádio Observador

Restaurantes

O McDonald’s mais bonito do mundo fica… no Porto? Jornalista americano diz que sim

2.979

Candelabros de cristal, vitrais, uma águia gigante de bronze e a possibilidade de pedir pastéis de nata. Para a norte-americana Business Insider fica em Portugal o melhor McDonald's do mundo.

Harrison Jacobs/Business Insider

“Comi no McDonald’s mais bonito do mundo, com candelabros de cristal, janelas com vitrais e uma pastelaria deliciosa”. Assim é o título de um artigo da Business Insider, da autoria de Harrison Jacobs, publicado este domingo. O jornalista, que se identifica no Twitter como correspondente internacional e repórter de questões globais, da tecnologia às viagens, começa o artigo com uma pergunta aos leitores que provavelmente já comeram Big Macs e McNuggets em dezenas de McDonald’s espalhados pelo mundo: “Alguma vez pararam para pensar qual dos 36.899 restaurantes McDonald’s era o mais bonito?”

Foi na busca por essa resposta que foi ao Porto atrás daquele que muitos viajantes identificam como o mais bonito McDonald’s do mundo: aquele que está no antigo Café Imperial. E não podia ter ficado mais surpreendido. Dos vitrais aos candelabros, passando pela “pastelaria deliciosa”, que inclui pastéis de nata, o jornalista norte-americano saiu da cidade do Porto com a certeza de ter encontrado o mais belo restaurante daquela cadeia de fast food importada dos EUA.

Harrison Jacobs/Business Insider

Inaugurado em 1995, o restaurante fica no lugar daquele que, nos anos 30 e 40, foi o famoso Café Imperial — um dos primeiros exemplos do estilo arquitetónico Art Deco, muito presente na cidade do Porto, que décadas mais tarde foi aproveitado pela cadeia internacional de restauração. De acordo com o jornalista, que admite gostar de perceber as diferenças culturais presentes nas principais cadeias de restauração fast food em todo o mundo, o que encontrou no McDonald’s Imperial justifica o título.

“A primeira coisa que salta à vista é uma escultura gigante de uma águia, em bronze, da autoria do escultor português Henrique Moreira. Quando o Café Imperial abriu, em 1936, a entrada tinha uma porta giratória, que entretanto já não está lá”, ao contrário da águia, nota o jornalista.

Mas as surpresas não ficam à porta. “Quando se entra, repara-se logo nos vários elementos do estilo Art Deco (pensem por exemplo no estilo do Empire State Building): os frisos ornamentados ao longo do teto, os lustres de cristal e, sobretudo, o enorme vitral atrás do balcão”, descreve. A obra-prima, contudo, são os enorme candelabros de cristal que “fazem um contraste gritante com o que geralmente se encontra no McDonald’s”.

Harrison Jacobs/Business Insider

Ponto negativo para este apreciador dos interiores das cadeias de fast food: o chão. “Não é nada de especial”, comenta, acrescentando que a comida, em si, também não soma pontos por ai além. Mas é de arquitetura que estamos a falar. Ponto positivo: pode-se pedir cerveja Sagres e, apesar de a sopa de legumes deixar a desejar, a pastelaria compensa, entre bolas de berlim recheadas com chocolate e pastéis de nata “aceitáveis”, segundo aquele jornalista (que confessa não ser especialista em natas).

Em todo o caso, conclui que aquele pode muito bem ser o McDonald’s mais bonito do mundo. A comida, é “tipicamente McDonald’s”, por isso, o conselho que Harrison Jacobs dá a quem queira espreitar o estabelecimento é “fazer como os portugueses fazem: “entre e peça um café e um pastel de nata”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)