Porto

Porto pode vir a tornar-se “cidade-piloto” da mobilidade aérea da Airbus

A revelação foi feita quando Isabel Del Pozo foi questionada por Pablo Perez-Illana, investigador em aviação da Comissão Europeia, no âmbito do encontro "Urban Air Mobility - UAM".

FOCKE STRANGMANN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A representante da Airbus Isabel Del Pozo admitiu esta sexta-feira, em Matosinhos, a possibilidade de o Porto “vir a tornar-se uma cidade-piloto” da mobilidade aérea urbana.

A revelação foi feita quando Isabel Del Pozo foi questionada por Pablo Perez-Illana, investigador em aviação da Comissão Europeia, no âmbito do encontro “Urban Air Mobility — UAM”, a decorrer desde quinta-feira e até esta sexta-feira no Centro de Engenharia e Desenvolvimento de Produto (CEiiA), em Matosinhos, distrito do Porto.

O evento é realizado no contexto da Associação Europeia de Centros de Investigação em Aeronáutica (EREA), que reúne jovens investigadores dos 15 maiores centros de investigação europeus. Isabel Del Pozo admitiu a possibilidade de o Porto poder vir a tornar-se uma “cidade-piloto” no teste da mobilidade urbana através de “novos tipos de transportes aéreos”.

A iniciativa “Urban Air Mobility”, que pretende reunir cidades, cidadãos e empresas num sistema inovador e inteligente de transporte, é liderada pela fabricante Airbus, com o apoio da Comissão Europeia, e já se realiza em algumas cidades como Plovdiv (Bulgária), Bruxelas (Bélgica), Genebra (Suíça) e Hamburgo (Alemanha).

Num encontro onde, para além de soluções e partilha de ideias, também se abordaram os “grandes desafios” que a área da aeronáutica enfrenta, Isabel Del Pozo afirmou que “para a Airbus a solução é o céu”, mencionando as atividades que a empresa fabricante de aeronaves tem em curso desde 2016 como o projeto ‘Voom’, o ‘City Airbus’ e o ‘Vahana’.

Contudo, a representante não deixou de salientar que para que novos projetos se desenvolvam é necessária “uma nova regulamentação europeia, um novo conceito operacional e o treino de pilotos”. A “regulamentação europeia” e a “certificação” dos projetos apresentados foram também questões de debate levantadas por outros investigadores como Tiago Semedo, responsável pela área de engenharia de produção para os oceanos, aeronáutica e espaço do CEiiA.

“A maior parte da investigação que se faz leva alguns anos, às vezes até décadas, a ter uma nova aplicação na indústria e a chegar ao consumidor. Portanto, aí a legislação e a certificação são áreas extremamente conservadoras e que pouco evoluíram”, explicou Tiago Semedo à Lusa.

Ainda durante o encontro, Pablo Perez Illana apresentou o novo programa para a área de aeronáutica “Horizon Europe Programme”, que vai decorrer entre 2021 e 2027, e salientou que a aplicação destas tecnologias inovadoras pode surgir “mais depressa do que acreditamos, mas mais devagar do que é desejado”. O “Urban Air Mobility-UAM”, no CEiiA, é o primeiro evento no contexto do EREA que reúne os jovens investigadores europeus e promove o debate sobre as questões da mobilidade aérea urbana.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Cogitações sobre a remodelação /premium

Maria João Marques

Costa promoveu pessoas com pouquíssima experiência profissional fora da vida política. É dos piores indicadores para qualquer político. Viver sempre na bolha dos partidos é péssimo cartão de visita.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)