Rádio Observador

PSD

Rio para os críticos que “tentam ser alguém na política”: “Podem esperar sentados”

340

Líder do PSD carregou nos ataques: ao governo, à esquerda, mas sobretudo aos opositores internos que querem "ser alguém na política". A esses, disse, "podem esperar sentados".

Luís Forra/LUSA

Rui Rio não queria fazer um discurso de rentrée — “para isso teria de ter feito um de sortie” — e demorou mais tempo a discursar do que seria de esperar numa festa popular como a festa do Pontal: 33 minutos e 40 segundos. Mas o que acabou por fazer em Fonte Filipe, Loulé, não foi muito diferente daquilo que se imagina ser um discurso de rentrée. Atacou o governo, que “não tem a vida facilitada até às eleições”, explicou-se aos militantes que porventura não compreendem o seu “estilo diferente do habitual”, e disse que “o PSD só não ganha se não quiser”. Mas a crítica mais dura foi para os seus opositores internos, que, diz, só o estão a atacar porque “querem ser alguém na política”, e estão à procura de um “lugarzinho” mas, no fim, só estão a dar mais força ao PS.

“Para quem percebe o fenómeno político, ao contrário do que muitos dizem, este governo não tem a vida tão facilitada assim até às eleições de 2019. Só terá se nós quisermos. Eu não posso aceitar que haja quem dentro do PSD esteja permanentemente, através das críticas internas, a tentar salvaguardar as vitórias do PS e a proteger o PS”, disse o líder do PSD durante o discurso do Pontal, a primeira intervenção política depois da muito criticada interrupção de um mês para férias.

Esta foi a vez em que Rui Rio mais endureceu o discurso, tanto contra os chamados críticos internos, como contra o governo. Mas sobretudo contra aqueles que, como ele, vestem de laranja. A esses, deixou uma garantia: “podem esperar sentados”, porque Rio sempre cumpriu os mandatos até ao fim, lembrando que deixou a câmara do Porto “no último segundo” do mandato, e é o que vai continuar a fazer. “Quem anda na política há tantos anos e tem uma carreira com esta marca, acreditem, e podem esperar sentados, vou cumprir o meu compromisso até ao último minuto, tal como sempre fiz na minha vida”, disse.

O ataque aos críticos que “não perdem um dia da semana, nem o domingo, para fazer críticas ao PSD” foram ferozes e muito aplaudidos. Rio disse que os seus opositores fazem críticas “táticas” e não “genuínas” apenas porque têm um “projeto pessoal” e “querem ser alguém na política”. Mas deixou claro que não é assim que, consigo, vão a algum lado. “Comigo é só com trabalho e com lealdade, não é com conspiração nem com intriga nos jornais”, disse.

O governo de António Costa, ao contrário do que lhe apontam esses mesmos opositores, foi também um dos alvos preferenciais de Rio neste discurso de rentrée (que não é uma rentrée). Desde a forma como Costa se congratulou pelo “êxito” da operação de combate aos fogos em Monchique, que Rio diz que é “poucochinho” porque, apesar da poupança de vidas humanas, arderam 27 mil hectares quando havia “todos os meios à disposição”, à forma como “não investe no Serviço Nacional de Saúde”.

Temos o governo mais à esquerda de que há memória, um governo que enche a boca com o social mas, numa matéria tão importante como a saúde das pessoas, não só não resolve como agrava o problema”, disse, apontando nomeadamente o problema das listas de espera para cirurgia e consultas, como também o número de famílias que continuam sem médico de família.

Para o líder dos social-democratas, é “notório” que, com o passar do tempo, “cada vez mais portugueses se apercebem dos falhanços desta governação e das limitações desta solução política”, o que abre a porta para que o PSD possa percorrer um “caminho favorável”. Rio propôs-se mesmo a ganhar as três eleições que aí vêm, das europeias às legislativas passando pelas regionais da Madeira, mas admitiu que o ano que aí vem, com os desafios que lhe estão associados, é um ano “dificílimo”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt
Ambiente

Ser ambientalista agora é muito fácil

Salvador Malheiro
680

Qual é a estratégia de descarbonização quando, neste mandato, o Bloco quis a todo o custo taxar as energias renováveis, se opôs à construção de barragens, à energia eólica e à exploração de lítio?

Eleições

Liberal e de Direita /premium

Diogo Prates

Rejeito o mantra de esquerda “temos de perder vergonha de ir buscar a quem está a acumular dinheiro", antes acredito que o Estado não pode limitar as empresas naquele que é o seu papel: gerar riqueza.

Política

Salvo raras exceções

Diogo Poço Miranda

Não interessa aos dirigentes políticos que os melhores se envolvam na política, porque o certo é que se os melhores da sua geração o tivessem feito eles não estariam lá. Salvo raras exceções

Escolas

A escola é uma seca /premium

Eduardo Sá

Não podemos continuar a opor uma ideia “industrial” de escola a uma escola “ecológica”, como se não fosse possível conciliar as duas escolas, sem a educação indispensável abalroar o direito à infância

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)