Empreendedorismo

Apostar nas vinhas velhas para dar vinhos novos no Douro Internacional

137

Frederico Machado e Ricardo Alves decidiram dedicar-se à preservação das vinhas velhas que têm uma qualidade alta e produzem vinhos com características diferentes das vinhas novas.

Manuel Almeida/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Dois jovens empreendedores na área da vitivinicultura estão a apostar em “vinhas velhas” com mais de 70 anos em Bemposta, no concelho de Mogadouro, para produzir vinhos de “qualidade”, num investimento que poderá chegar aos 400 mil euros.

A “aventura” de Frederico Machado e Ricardo Alves começou em abril de 2017, após um mestrado em Enologia e a passagem por países como a Austrália, Estados Unidos, África do Sul, França, Alemanha e Espanha, onde recolheram conhecimentos que agora estão a ser aplicados na produção de vinhos de mesa, brancos e tintos.

“No primeiro ano de produção conseguimos uma vinha com pouco mais de hectare, desde aí começaram a surgir novas vinhas e novas oportunidades e estamos de momento com cerca de dez hectares de vinhas velhas”, explicou à Lusa, Frederico Machado.

Em pouco mais de um ano, a Arribas Wine Company, designação dado ao novo projeto vitivinícola, sedeado no distrito de Bragança, cerca de 2.900 garrafas de vinho tinto, esperando os produtores atingir o mesmo número em 2018, apesar de consideraram que o ano “foi fraco” para a produção de vinho.

“Este ano vamos, ainda, tentar produzir 1.500 litros de vinho branco e testar uma nova experiência, que ainda mantemos em segredo”, vincou o empresário.

Os mentores do projeto pretendem dar um passo “seguro”, com a construção de raiz de uma adega em Bemposta e partir para comercialização dos seus vinhos no mercado nacional e internacional.

“O terreno já foi adquirido. Pretendemos atingir uma produção máxima de 50.000 garrafas de vinho por ano e investir cerca de 300 mil euros, só neste projeto”, indicaram os empreendedores.

O vinho tinto produzido pela Arribas Wine Company começa a ter procura internacional com exportações previstas para França e Inglaterra. O mercado nacional já começa a conhecer o “Saroto”, o nome dado ao vinho, o qual já chegou a “restaurantes portugueses, de renome internacional”.

Frederico Machado e Ricardo Alves são “companheiros de aventuras” que se conheceram enquanto frequentavam um mestrado em Enologia na Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), que não se deixaram levar pelos “encantos” das grandes cidades e apostaram a suas carreiras nas arribas do Douro Internacional.

“O vinho produzido por vinhas velhas apresenta uma boa qualidade, para além de algumas diferenças em relação aos vinhos mais correntes. O facto de a vinha ser antiga, e estar implantada há muitos anos no mesmo sítio, dá-nos uma qualidade não vista em vinhas novas”, explicou Ricardo Alves.

Os dois vitivinicultores mostraram-se apostados em preservar a qualidade e tradição das vinhas velha no Douro Internacional.

“Nós trabalhamos um vinho mais leve e fresco, que seja mais fácil de beber, tanto de verão como de inverno, o que se trata de um produto diferenciador”, vincou.

Frederico Machado, observou que no território onde estão a produzir o vinho, assiste-se a um abandono das vinhas velhas devido à idade avançadas dos seus proprietários.

“Estamos a assistir ao arranque de vinhas velhas para serem substituídas por outras culturas. Dentro da nossa capacidade, iremos tentar preservar este património”, enfatizou.

Os jovens produtores garantem que há gostos muito vincados, no que respeita à aprovação dos vinhos por parte dos consumidores portugueses. “Perante este facto vamos tentar ser consensuais”, afiançam.

A variedade das castas existentes nas vinhas velhas pesou bastante na escolha para a fixação dos dois vitivinicultores, aliadas às características “singulares” do terreno.

As principais castas usadas para vinhos tintos são a tinta gorda, o bastardo, rufete, tinta Francisca, ou alvarilhão. Já para a produção de vinhos brancos há malvasia, verdelho, posto branco, ou bastando branco.

Segundo os também investigadores, a mistura das castas surgiu porque quem plantava vinhas há 70 ou 80 anos, queria ter sempre vinho, mesmo em anos maus.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Global Shapers

Já não há desculpa

Hugo Menino Aguiar

Vivemos numa época em que o nosso impacto negativo no mundo está a poucas décadas do ponto de não retorno. Já não é tanto sobre como será o mundo para os nossos netos ou filhos, é ainda antes disso.

Global Shapers

Estás a viver para quem?

Fred Canto e Castro
935

Escolhemos o nosso carro, profissão, e até as nossas relações, não com base no que nos deixaria ultimamente preenchidos, mas sim naquilo que nos dará maior aprovação. E vale a pena?

Global Shapers

Prisões de crianças

Afonso Mendonça Reis

E se as escolas, com recursos tão limitados, pudessem potenciar o crescimento dos seus alunos enquanto eles contribuem para o funcionamento da escola? 

Orçamento do Estado

Prognósticos só no fim /premium

Manuel Villaverde Cabral

Em vez de poupar nas despesas do Estado, aumentam-se as receitas, isto é, os impostos e, destes, sobretudo os indirectos. Eis o carácter cada vez mais inigualitário de uma fiscalidade dita de esquerda

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)