Taxa Turística

Turismo do Algarve opõe-se a taxa turística aprovada por municípios

O presidente da Região de Turismo do Algarve contestou a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL).

FILIPE FARINHA/LUSA

O presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), João Fernandes, contestou este sábado a aplicação de uma taxa turística na região, cuja introdução foi decidida pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) e anunciada na sexta-feira.

João Fernandes lamentou a decisão adotada pelos municípios, expressou a sua discordância quanto à aplicação da taxa turística e questionou o “‘timing'” e “modelo escolhidos”, posição na qual o presidente da RTA disse ser acompanhado pelas “duas associações mais representativas do alojamento na região”, a Associação dos Hotéis e empreendimentos turísticos do Algarve (AHETA) e a Associação dos Industriais Hoteleiros e Similares do Algarve (AIHSA).

A Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL) aprovou na sexta-feira as bases para a introdução de uma taxa turística, de 1,5 euros por dormida (crianças até 12 anos não pagam), entre março e outubro, estimando uma receita anual de 20 milhões de euros, embora a medida ainda tenha de ser aprovada pela Assembleia Municipal de cada um dos 16 municípios da região.

“Trata-se de uma decisão errada, que surge em contraciclo com a procura turística e que pode gerar perda de competitividade para o destino Algarve”, advertiu o presidente da entidade regional de turismo algarvia em comunicado.

O presidente da RTA considerou que a aplicação desta taxa “não atende à realidade da concorrência”, porque esta é apenas cobrada nas Ilhas Baleares e na Catalunha, em Espanha, e na Tunísia, e assiste-se atualmente a “uma forte retoma de destinos concorrentes do Algarve, tais como a Grécia, a Turquia, a Tunísia e o Egito”, que “não estão sujeitos às regras da concorrência europeia e apresentam preços muito agressivos”.

A esta retoma de mercados concorrentes, sobretudo do norte de África, junta-se a saída do Reino Unido da União Europeia (“Brexit”), “processo que já fez cair o poder de compra dos britânicos devido à desvalorização da libra face ao euro e que afeta o principal mercado emissor de turistas para o Algarve”, frisou João Fernandes.

O responsável do Turismo do Algarve considerou que é também necessário que a região acabe de “ajustar-se à realidade criada pela falência de companhias aéreas como a Monarch, a Air Berlin e a Niki Airlines”, que operavam para o aeroporto de Faro a partir de mercados emissores de turistas, como o Reino Unido e a Alemanha, exemplificou.

João Fernandes acha “igualmente estranho” que a aplicação da taxa não seja feita a partir de uma data concreta em todos os municípios, o que poderá “gerar desigualdades dentro da região e enfraquecer o destino como um todo”, alertou.

“Por último, a taxa turística não atende à diferença entre a realidade de um destino cidade, como Lisboa e Porto, com estadias curtas de um ou dois indivíduos, por comparação com o Algarve, destino familiar e com estadias prolongadas, para as quais a aplicação de uma taxa com estas características é mais penalizadora”, distinguiu ainda o presidente da RTA.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)