Família Real Britânica

Depois das polémicas, o regresso: Sarah Ferguson está de volta

Protagonizou vários escândalos e foi afastada da família real após o divórcio com o príncipe André. Sarah Ferguson está de regresso e vai marcar presença no casamento da filha, já esta sexta.

Jeff Spicer/Getty Images

É uma duquesa polémica, sem dúvida, que nos anos 90 saiu das boas graças da família real britânica para nunca mais voltar. Se em 1992 Sarah Ferguson era fotografada na companhia de um homem que não o príncipe André, em 2010 era apanhada em flagrante a tentar ganhar dinheiro com o nome do agora ex-marido. O príncipe Carlos, irmão de André e herdeiro à coroa britânica, cortou relações com a duquesa; o pai de ambos, Filipe, duque de Edimburgo, também. Apesar disso, é já esta sexta-feira, dia 12 de outubro, que Ferguson regressa ao seio da família real, quando comparecer no casamento da sua filha mais nova, Eugenie, de 28 anos, uma das netas da rainha Isabel II.

O duque e a duquesa de Iorque casaram-se no dia 23 de julho de 1986 na Abadia de Westminster, em Londres, numa cerimónia visionada por milhões de pessoas em todo o mundo. O casamento durou seis anos e foi brutalmente interrompido com um dos maiores escândalos sexuais da monarquia britânica. Sarah Ferguson foi fotografada num jardim no sul de França na companhia de John Bryan, o seu conselheiro financeiro, em 1992. Nas fotos, a duquesa veste a parte debaixo do biquíni e surge em topless, enquanto Brayn está a “chupar-lhe os dedos do pé”, como foi amplamente descrito — o jornal The Sun escreveu, à data: “Fergie toe-job”. Penny Junor, biógrafa real, chegou a explicar que, quando as fotografias foram publicadas na imprensa, a duquesa estava no Castelo de Balmoral, na Escócia: “A família desceu para tomar o pequeno-almoço e ali estava Fergie [alcunha de Ferguson] nesta cena chocante, foi o fim”.

1992 ficaria para a história como o “annus horribilis”, descrição em latim usada pela rainha Isabel II, que quer dizer “ano horrível”. As polémicas fotos de Fergie vieram meses depois da imprensa noticiar o seu iminente divórcio. Esse ano ficou marcado pela separação de três dos quatro filhos da monarca — Carlos, Ana e André.

As fotografias são novamente tópico de conversa, sobretudo à medida que se aproxima o casamento de Eugenie que, à semelhança da cerimónia do príncipe Harry, acontece na capela de Windsor. Sarah Ferguson vai estar entre os 800 convidados que vão marcar presença, isto sem contar com os cerca de 1.200 membros do público que vão estar nos terrenos do castelo. Sarah também foi convidada para o casamento de Harry com Meghan Markle, a 19 de maio deste ano, mas o mesmo não aconteceu tendo em conta a receção após o enlace — a duquesa ficou de fora da lista de convidados feita pelo príncipe Carlos, responsável pelo evento privado.

O convite para o casamento de Harry foi encarado pela imprensa como uma tentativa de atenuar o afastamento entre a duquesa e a restante a família real, até porque Sarah e a princesa Diana tinham uma relação particularmente próxima. Importa ainda referir que, em abril de 2011, aquando do enlace de William e Kate Middleton, a presença de Sarah Ferguson não foi requerida. “Senti falta de não estar no casamento. Senti falta de não fazer parte daquilo tudo”, admitiu mais tarde.

Não foram só as polémicas fotografias que azedaram a relação com os membros da monarquia. Em 2010, Fergie protagonizou outro escândalo com dimensões que ultrapassaram as fronteiras do Reino Unido: em vídeo, Ferguson é vista a aceitar dinheiro (cerca de 40 mil dólares em dinheiro vivo e mais 50 mil libras por transferência bancária) de um jornalista que se fez passar por um investidor em troca de acesso ao ex-marido, com quem ainda vive no palácio Royal Lodge, em Windsor. Mais tarde, Ferguson haveria de confessar — durante uma entrevista a Oprah Winfrey — que tinha bebido na altura em que fez o muito criticado acordo.

Antes das polémicas, Fergie era bastante querida pela família real. Segundo a publicação E!, não era só a princesa Diana que gostava bastante dela; também a rainha jantou muitas vezes sozinha na sua companhia, quando o príncipe André estava ausente. Fergie era atlética, tinha uma certa qualidade de “girl next door” e era algo descontraída — muito diferente da princesa Diana, com quem Isabel II tinha uma relação decididamente diferente.

Esta sexta-feira, Sarah Ferguson vai estar entre as centenas de convidados da família real britânica para assistir ao casamento da filha mais nova com o respetivo namorado de longa data. 

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: acmarques@observador.pt
África do sul

África do Sul – Que Futuro?

Jaime Nogueira Pinto

Em vésperas de eleições, a República da África do Sul vive dias instáveis, entre a democracia e a cleptocracia. E radicalização de um ANC em quebra eleitoral pode por em causa os equilíbrios do regime

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
364

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)