Lifestyle

Há um tesouro no Periquita muito bem guardado

374

Para Domingos Soares Franco, vice-presidente e enólogo sénior na José Maria da Fonseca, fazer vinho não é apenas uma profissão, é uma forma de vida... que, às vezes, prega surpresas.

“Vou revelar a história de um tesouro escondido algures nesta casa. Começo por contar que ando sempre à procura de exemplares antigos de garrafas de Periquita. Há dois anos soube que, num restaurante algures no Alentejo, havia um exemplar que me interessava. A nosso pedido, um vendedor trocou a garrafa por dez caixas de Periquita. Era de 1880 e veio, em muito bom estado, juntar-se a mais duas do mesmo ano. A garrafa estava em cima de uma barrica, mas o proprietário desconhecia a sua história. Mandei-a embrulhar numa engarrafadeira que ainda cá trabalha e que sabe como engarrafar à antiga. Meti a garrafa numa caixa e guardei-a. O problema é que ficou tão bem guardada que, agora, não me lembro onde está. Mas tenho a certeza de que um dia, algures na próxima geração, irão descobrir esse tesouro de 1880!

Incrivelmente, estas três garrafas irmãs são todas do mesmo ano, embora se desconheça o que tem este ano de particular. Nem sequer se sabe muito bem como estará o vinho. Numa delas, a que está na entrada da Casa-Museu, a cor precipitou; a outra, guardada na nossa frasqueira, estava boa há dez anos, mas, há cerca de três anos, a cor também precipitou. Esta última, da qual desconheço o paradeiro, sei que, pelo menos, está escondida longe da luz. Logo se saberá como resistiu à passagem do tempo.

Sempre houve esta preocupação em guardar um exemplar de cada ano, antes de se venderem todos. Deixo esta memória para as futuras gerações, não só porque considero que é importante, mas também para responder ao pedido do meu pai, que me disse: “como enólogo, usa o que te deixámos, mas faz para o futuro”. Arranjámos, entretanto, uns depósitos de cimento que foram escavados e nos quais vamos colocar uma porta blindada, em paredes de um metro de largo, onde serão colocados e catalogados todos os exemplares. Poucas pessoas terão acesso ao local.

Metade português, metade americano

Apesar de já cá estar há quase quatro décadas, sou muito americano. Ao longo dos anos, fui perdendo alguns hábitos, mas o hambúrguer continuo a comer à mão. E muitas vezes, sozinho no carro, dou por mim a pensar em inglês.

Foi em Portugal que nasci, cresci e acabei o liceu mas, depois, quis ir para fora fazer a faculdade. Ainda tentei ver se haveria hipótese de fazer o curso em França, mas tinha de recuar dois anos e não quis. Por um acaso do destino, acabei por ir estudar para os Estados Unidos. Um dia, num jantar com os meus pais e um casal de americanos seus amigos, estes perguntaram-me o que é que eu ia fazer. Eu disse-lhes que o que queria mesmo era estudar vinho e vinhas.

Estávamos em 1975, em pleno período quente e, face à instabilidade do país, eles convidaram-me a ir para a América. Aquilo caiu como uma bomba ao jantar. Olhámos uns para os outros mas, dois meses depois, estava na América. Inicialmente, fui para um colégio interno a norte de Nova Iorque, porque as faculdades já tinham começado, e só depois é que fui para Davis, na Califórnia. Estava no colégio quando se deu o golpe de 25 de novembro de 1975 e, como durante a semana não conseguia falar com os meus pais, só no fim de semana seguinte, quando fui a casa dos nossos amigos, é que consegui perceber o que se passava. Esses não foram tempos fáceis. Mas ajudaram a tornar-me no que sou e permitiram-me seguir a minha vocação.

Um modo de ser

Adoro viajar e conhecer a diversidade de uvas e modos de produção. Ao longo destes anos tive oportunidade de visitar milhares de adegas a nível mundial, sobretudo fora da Europa. Sou assumidamente “novo-mundista”, o que também faz diferença na forma como faço vinho. Fui da Califórnia à África do Sul e estive um mês sozinho na Austrália a visitar cinco adegas por dia. Depois disso, fui para a Nova Zelândia e para a Argentina. Mas também já estive em Espanha, Alemanha, França e em Portugal, claro.

Esta descoberta e este acumular de conhecimento são muito importantes. Até porque não consigo parar de pensar em novos vinhos. Há até quem diga que penso demais, mas ao fim destes anos todos, nem se pode chamar “só” de paixão aquilo que sinto por este mundo. Isto mexe comigo, faz mesmo parte de mim.

Saiba mais em https://observador.pt/seccao/periquita/

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Governo

Quem quer casar com um governante?

Luís Reis

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)