Cultura

A arte chega ao coração de Lisboa

A 1.ª Feira da APA - Artes e Antiguidades traz a Lisboa um conjunto de peças representativas das diferentes correntes artísticas que existem em Portugal, ligadas à arte antiga, contemporânea e moderna

Uma exposição de arte mesmo no centro de Lisboa. Já tinha pensado nessa possibilidade? A Associação Portuguesa dos Antiquários (APA) pensou, e aquilo que começou por ser uma simples ideia tornou-se, agora, realidade. Fruto do esforço e dedicação da APA, está de pé a 1.ª edição da Feira da APA – Arte e Antiguidades, agendada entre 14 e 18 de novembro para a Sociedade Nacional de Belas Artes, no coração da capital portuguesa.

Antiquários presentes

> Galeria São Mamede
> Ilídio Cruz
> Ricardo Hogan Antiguidades
> J. Baptista
> João Ramada Antiguidades
> D`Orey Azulejos e Antiguidades
> Isabel Lopes da Silva
> Coisas de Família
> Manuel Castilho
> Galeria Bessa Pereira
> Objectismo
> Porcelana da China
> Luís Alegria
> Casa d`Arte
> Manuela Verde Lírio

A mostra surge com um intuito muito próprio, conforme refere a direção da APA: “Pretendia-se criar um evento mais central que aproximasse o público português da arte, porque a Feira da Cordoaria Nacional fica mais longe [zona de Belém, em Lisboa]”.

Por outro lado, esta nova localização permite ainda uma maior acessibilidade “a um outro tipo de público, internacional, que possa estar de passagem por Lisboa e se sinta atraído para entrar e conhecer a Feira”. Uma das maiores dificuldades na escolha do espaço residiu no facto de os “edifícios que existem no centro apresentarem dimensões relativamente reduzidas”, esclarece a Associação, que adianta que, além disso, também procuravam “um local ligado às artes”. A escolha pela Sociedade Nacional de Belas Artes “acabou por ser natural”, sendo esta uma feira “mais pequena, mais intimista, mas muito mais central”.

Da arte antiga à moderna

A 1.ª Feira da APA – Artes e Antiguidades pretende ser uma mostra dedicada à arte antiga, contemporânea e também moderna, com um conjunto de peças que vão da ourivesaria ao mobiliário, passando pela azulejaria, prataria, escultura, arte sacra ou outras de antiquariato puro. A lista de antiquários presentes revela bem a curadoria cuidada feita para a feira, sendo todos eles membros da APA: “O espaço é mais pequeno, mas os expositores presentes representam muito bem a associação e o nosso trabalho.

Infelizmente tivemos que restringir as participações a quem primeiro se inscrevesse”, refere a direção, acrescentando ainda que “os expositores tiveram completa liberdade para apresentar as peças que pretendiam, ou seja, a escolha do acervo foi individual, existindo depois uma peritagem das peças de cada expositor. E se houver alguma que a Comissão de Peritagem ache que não se enquadra na qualidade que a feira possui, então é retirada”.

Educar a partir da arte

A preocupação face à qualidade das peças é um dos pontos fortes da 1.ª Feira da APA – Artes e Antiguidades, que pretende, ao mesmo tempo, ter um lado mais educativo. “A possibilidade do contacto do público com as peças é determinante”, indica a APA, revelando ainda que, na Feira, existem obras “que têm qualidade para estar em qualquer museu nacional ou até internacional”, o que dá aos visitantes a “hipótese de as manusear, tocar, de falar com quem está no mercado e de saber tudo sobre as suas características. No fundo, de conhecer, efetivamente, a peça. E esta possibilidade é bastante importante e educativa”.

Parceria em prol do património

Ao longo da sua história, o antiquariato tem vindo a ter um importante papel na preservação do património histórico português. A APA refere, por exemplo, no trabalho feito em prol da alteração da legislação nesta área, um dos focos do trabalho da associação.

Informações úteis sobre a Feira

1.ª Edição da Feira da Associação Portuguesa dos Antiquários
Local:
Sociedade Nacional de Belas-Artes
Morada: Rua Barata Salgueiro, 36, Lisboa
Data: De 14 a 18 de novembro
Horários:
Terça-feira a sexta-feira entre as 16 e as 21 horas
Sábado entre as 14 e as 21 horas
Domingo entre as 12 e as 19 horas
Preço: 10€, bilhete simples, à venda no local

Mas o trabalho da Associação Portuguesa dos Antiquários desenvolve-se também muito próximo dos museus, dos quais a é parceira na “divulgação das suas exposições e de determinadas peças”. A APA fala “num relacionamento muito próximo e muito presente” entre ambas as partes.

Contas feitas, a APA acredita num diálogo alargado entre o antiquariato e o universo museológico, já que ambos possuem valências únicas e de grande mais-valia para a promoção do conhecimento do património artístico mundial. Também nesse sentido, esta 1.ª Feira da APA – Artes e Antiguidades conta com apoio do Museu de Etnologia e do Museu Nacional de Arte Antiga, além da Câmara Municipal de Lisboa, do Turismo de Lisboa e com o Alto Patrocínio de Sua Excelência o Presidente da República.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt
Conflitos

Mediterrâneo

Luis Teixeira

Huntington defendeu, como Braudel, que a realidade de longa duração das civilizações se sobrepõe a outras realidades, incluindo os Estados-nação em que se supôs que a nova ordem mundial iria assentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)