Pesquisando entre todas as declarações de Elon Musk, sobre a pick-up que a Tesla está a desenvolver, há uma série de características que se tornam evidentes sobre o este tipo de veículo, muito mais popular no mercado americano do que no europeu.

Segundo Musk, a plataforma a utilizar não deriva do Model S ou X, uma vez que seria impossível instalar um pack com mais de 125 kWh de capacidade, obviamente pouco para a pick-up. É mais provável que aquilo que agora Musk denomina Tesla Truck recorra a uma versão da estrutura utilizada no Semi, o camião semi-reboque que será comercializado ainda antes de a Truck ver a luz do dia.

Sempre de acordo com as revelações do CEO da Tesla, compiladas pela Electrek, a Truck vai ter assentos para seis adultos, incluindo o condutor, obviamente tracção às quatro rodas, montando um motor à frente e outro atrás, e aquilo que Musk denomina “dynamic suspension”, o que deverá passar por uma solução pneumática, que permite aumentar a distância ao solo para ser utilizada fora-de-estrada, para depois poder baixar e tornar-se mais aerodinâmica, para incrementar a autonomia em estrada.

Em matéria de autonomia, a Tesla está a apontar para valores máximos entre 400 e 500 milhas (entre 634 e 805 km), para o que necessitará de uma capacidade mínima de 200 kWh. Isto deverá colocar o peso nas 3,6 toneladas, nada mau considerando que um Model X supera as 2,5. Como a Truck deverá ser a pick-up mais rápida do mercado, apontando para valores próximos (ou até inferiores) dos 4 segundos de 0-96 km/h, vai ter de possuir no mínimo 600 cv, ou seja a potência de dois motores de 300 cv utilizados atrás no Model 3 Performance.

Resta aguardar que a marca revele as principais características da Truck, para se perceber até que ponto estas estimativas estão correctas ou são aproximadas.