Entre a verdadeira constelação de estrelas que Pep Guardiola tem à disposição no Manchester City, que mais parece as versões mais antigas do Championship Manager onde se concentrava numa só equipa quase todos os melhores jogadores por posição dentro de uma ideia de jogo muito específica onde só alguns podem ambicionar entrar, Bernardo Silva podia ser apenas mais um. No entanto, o português é mais do que isso. E não só pelo que joga mas também, ou sobretudo, pela forma de ser cool, sempre relaxado e bem disposto, que cativa companheiros das mais diversas nacionalidades.

No regresso aos relvados após um curto período de paragem por questões físicas, o português voltou à titularidade nos citizens e inaugurou o marcador pouco depois do primeiro quarto de hora, aproveitando uma saída incompleta de Begovic a fazer a tentar fazer a “mancha” a Leroy Sané que deixou a bola sem dono para o disparo forte de pé esquerdo que fez o 1-0. Nos últimos quatro jogos em que participou, Bernardo marcou dois golos e fez duas assistências; no total da presente temporada, em 18 encontros oficiais do City, alinhou de início em 16, apontou seis golos e teve três passes para golo. A este ritmo, as 53 partidas da última época, a primeira depois da transferência por 50 milhões de euros do Mónaco, podem ou não ser superadas, mas os nove golos marcados em 2017/18 parecem ser um registo perfeitamente ao alcance.

Bernardo Silva apontou assim o quarto golo na Premier League, sexto da temporada (OLI SCARFF/AFP/Getty Images)

Ao contrário do que seria de esperar, face aos “atropelos” normais do conjunto de Pep Guardiola na Primeira League em casa – 6-1 ao Huddersfield, 5-0 ao Burnley, 6-1 em Southampton… –, o Bournemouth até deu mais luta do que se esperava (até por ser nesta altura uma das boas surpresas do Campeonato) e chegou ao intervalo empatado com um golo de Callum Wilson (44′) mas Sterling (57′) e Gündogan (79′) carimbaram o 3-1 final num jogo onde a posse de bola voltou a ser esmagadora para os campeões ingleses (73%). Com esse resultado, o City reforçou a liderança com 38 pontos (12 vitórias e dois empates), mais cinco do que o Liverpool que defronta este domingo o Everton de Marco Silva no dérbi da cidade dos Beatles.

Na história paralela a este triunfo está o festejo do internacional português após o primeiro golo, com um “fixe” feito com o polegar para a câmara (a seguir fez também um sinal com três dedos). E porquê? Porque Bernardo Silva provou ser um homem de palavra, cumprindo a promessa que tinha feito aos youtubers Poet’s Corner e David Vujanic num programa para o Copa 90 que gravara recentemente de que festejaria assim no primeiro golo que marcasse. Resta agora saber o que vai fazer Vujanic, um fervoroso adepto do Lverpool que tinha prometido também ao canhoto que se tornaria fã do… Manchester City.

https://twitter.com/DavidVujanic/status/1068888441021243392

Bernardo Silva já tinha gravado uma mini entrevista mais descontraída para o Copa 90 mas no “Sit, Talk, City”, quando o campeão inglês passou pelos Estados Unidos no início da temporada. Aí, entre outras curiosidades, o português referiu que já tinha visitado uma vez Nova Iorque e ficou em Times Square; que tinha Roger Federer como ídolo, até por ter jogado ténis quando era mais novo; que na altura tinha terminado de ver a última temporada da série “Peaky Blinders” e que começara o “American Crime Story”; e que gosta de vários tipos de música do rock ao jazz, passando pelo reggaeton (tudo menos eletrónica, tendo aproveitado para se “queixar” de Delph que parecia recriar com a música que ouvia o ambiente de Ibiza).