Rádio Observador

Xi Jinping

Xi Jinping pagou dois milhões para fechar o Ritz pela primeira vez e os portões da garagem tiveram de ser alargados

9.403

O presidente chinês vai estar em Lisboa dois dias e pagou dois milhões de euros para fechar o Ritz pela primeira vez. Traz limusinas blindadas que obrigaram a alargar o portão da garagem do hotel.

A comitiva do presidente chinês viajou para Portugal em dois aviões

HOW HWEE YOUNG/EPA

O presidente chinês Xi Jinping vai estar em visita de Estado a Portugal esta terça e quarta-feira. Para a curta estadia escolheu o Hotel Ritz, no centro de Lisboa, mas não alugou uma simples suite: reservou o histórico hotel lisboeta por inteiro e terá a unidade hoteleira por sua conta durante dois dias. De acordo com o jornal i, o Governo chinês pagou dois milhões de euros para fechar o Ritz.

O presidente chinês dispensou ainda os carros portugueses que lhe seriam disponibilizados, por se tratar de uma visita oficial de Estado, e trará consigo três limusinas blindadas de dimensões bastante superiores ao que é normal, o que já motivou obras de alargamento da entrada da garagem do Hotel Ritz e do portão da saída de emergência do Aeroporto Humberto Delgado, por onde Xi Jinping terá entrado esta terça-feira, por volta das 8h — obras essas que, em ambos os casos, ficaram a cargo do governo chinês.

O i conta ainda que o Ritz irá nestes dois dias adoptar o buffet exigido pelo chefe de Estado chinês, dispensando assim as suas famosas caldeiradas e cataplanas, por pratos de inspiração asiática. Xi Jinping terá mesmo trazido na sua comitiva — que encheu dois aviões — o próprio cozinheiro, que será o responsável por todas as refeições. O presidente do país asiático, uma das economias em maior crescimento a nível mundial, vai dormir numa das suites do Hotel Ritz, no 10.º piso, com ampla vista para a cidade de Lisboa.

Esta é a primeira vez que o Hotel Ritz aceita ser reservado na totalidade por apenas um cliente. Bill Clinton tentou o mesmo, numa das visitas a Portugal enquanto era presidente dos Estados Unidos, mas a unidade hoteleira recusou o pedido. A permanência de Xi Jinping numa zona tão central da cidade de Lisboa, bem perto do Marquês de Pombal, irá obrigar ao encerramento da circulação de carros (os veículos dos moradores não poderão estar ali estacionados) mas também de pessoas, já que apenas os residentes terão permissão para circular naquela área — e mesmo estes estão sujeitos a restrições várias, já que terão de ser revistados sempre que entram e saem da zona circunscrita, o que, depreende-se, significa que terão de ser revistados sempre que entrarem e saírem de casa.

De acordo com uma residente com quem o i falou, foram agentes da PSP que, durante a passada semana, bateram à porta das pessoas que vivem naquela zona e pediram nome e data de nascimento, para além de perguntarem se é habitual receberem visitas: em caso de resposta afirmativa, os residentes tiveram de dar o nome dessas pessoas de forma prévia para que pudessem entrar na área restrita.

Também o comércio será afetado pela visita de Estado de Xi Jinping. Os estabelecimentos terão certamente menos clientes, à exceção daqueles que funcionam com marcações, já que a identificação é entregue à polícia e todos os clientes serão escoltados até ao local de comércio.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)